Clérigo radical Abu Hamza se declara inocente em tribunal dos Estados Unidos

Após ser extraditado, líder islâmico foi acusado de 11 crimes ligados ao terrorismo

iG São Paulo |

O clérigo islâmico Abu Hamza alegou ser inocente de 11 crimes relacionados a atividades terroristas diante de um tribunal de Nova York, nesta terça-feira. Entre as acusações está a participação em um sequestro de 16 turistas ocidentais no Iêmen em 1998. O ex-imã de uma tradicional mesquita em Londres foi extraditado na semana passada do Reino Unido para ser julgado pelas autoridades americanas depois de uma longa disputa judicial.

AP
Desenho mostra o clérigo Abu Hamza durante audiência em tribunal de Nova York

A juíza distrital Katherine Forrest marcou o julgamento de Abu Hamza, também chamado de Mustafa Kamel Mustafa, para o dia 26 de agosto de 2013. Além de ser considerado responsável pela morte de quatro turistas, ele também é suspeito de ter contribuído para criar um campo para treinamento militar nos Estados Unidos entre 2000 e 2001, e de ter ajudado a financiar candidatos a "jihadistas" que quisessem ir ao Oriente Médio para praticar atentados.

Outros dois homens extraditados do Reino Unido e suspeitos de terrorismo também estiveram no mesmo tribunal de Nova York. Khaled Al-Fawwaz e Adel Abdul Bary são acusados de terem orquestrado um atentado a bomba contra as embaixadas americanas na Tanzânia e no Quênia em agosto de 1998. Eles serão convocados para julgamento em outubro de 2013.

Hamza, que ganhou notoriedade como um clérigo radical após os ataques de 11 de Setembro, permaneceu calado durante toda a sessão judicial e quebrou seu silêncio apenas para se declarar inocente de todas as acusações. Mais uma vez, o ex-imã apareceu sem suas tradicionais próteses em formato de ganchos - ele perdeu as duas mãos e um olho após a explosão de uma mina terrestre no Afeganistão.

Com BBC

    Leia tudo sobre: euaterrorismoislãabu hamzaoriente médio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG