EUA acusam 11 pessoas de espionagem e venda de material militar para a Rússia

Uma empresa de fachada era utilizada para encobrir a fraude e teria faturado cerca de 100 milhões de reais desde 2002

iG São Paulo |

O governo dos Estados Unidos acusou 11 pessoas de venderem microchips utilizados em equipamentos militares do exército para a Rússia. Sete suspeitos foram presos quarta-feira em um local próximo à cidade de Houston, no Texas, e os outros quatro nesta quinta-feira. Entre os detidos está Alexander Fishenko, um cidadão russo naturalizado americano, também acusado de enviar informações sigilosas para o Kremlin.

De acordo com as investigações divulgadas pelas autoridades americanas, Fishenko usava uma empresa de sua propriedade, a Arc Electronics Inc., como fachada para exportar diversos itens que podem ser utilizados em radares, para guiar mísseis e detonar alguns tipos de explosivos. A venda e a fabricação desses minúsculos aparelhos eletrônicos são controladas de maneira rígida pelo governo dos Estados Unidos.

AP
Agentes carregam caixas com documentos de empresa acusada de vender equipamentos eletrônicos controlados pelo exército americano

Promotores que trabalham no caso também afirmam que Fishenko é sócio de uma das principais fabricantes de armamento utilizados pelo exército da Rússia. Nos documentos analisados, todos os suspeitos falsificavam notas de vendas, dizendo que apenas comercializavam aparelhos banais, como semáfaros e outros tipos de lâmpadas para iluminação pública.

Desde 2002, a empresa de fachada de Fishenko exportou uma quantidade de aparelhos microeletrônicos no valor de 50 milhões de dólares (aproximadamente 96 milhões de reais). Não se sabe ainda se todo esse dinheiro corresponde com a venda de itens controlados pelo exército dos Estados Unidos.

    Leia tudo sobre: euarússiaespionagem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG