Empresa chinesa processa Obama por veto a investimentos no setor de energia

Presidente dos Estados Unidos vetou investimentos da companhia Ralls Corp no Oregon

iG São Paulo |

Uma empresa chinesa está processando o presidente Barack Obama após o governo americano vetar um investimento comercial na área de energia alternativa. Os Estados Unidos proibiram a construção de milhares de turbinas eólicas pela companhia Ralls Corp, que havia comprado quatro grandes terrenos no estado de Oregon no começo do ano e pretendia começar a instalação das usinas já no final de 2012.

AP
Obama e o líder chinês Hu Jintao durante encontro do G20 no México: relações estremecidas (arquivo)

Obama decidiu bloquear o negócio após um relatório do Departamento de Estado alertá-lo que os terrenos comprados pela empresa chinesa ficam muito próximo a uma das maiores bases navais do exército americano.

A medida é o primeiro veto a um investimento internacional nos Estados Unidos nos últimos 22 anos e foi emitida em um momento crucial da campanha eleitoral de Obama - em novembro, a população decide quem será o próximo presidente. Mitt Romney, candidato republicano, já havia questionado as atitudes permissivas da administração democrata com relação aos interesses comerciais da China.

A própria agência chinesa de notícias Xinhua afirmou que o veto foi uma maneira de Obama "conquistar alguns votos entre eleitores de colarinho branco".

Leia também: Obama proíbe empresa chinesa de instalar turbinas eólicas no Oregon

Segundo a ação processual, a companhia Ralls Corp alegou que o presidente agiu de maneira "ilegal e sem autoridade" e que que os Estados Unidos não respeitram os interesses chineses no país. Ainda de acordo com os documentos judiciais, o relatório feito pelo Deparamento de Estado não teria produzido provas suficientes de que o espaço restrito da base naval americana estaria ameaçado.

Com BBC e AP

    Leia tudo sobre: obamaeuachinaenergia eólica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG