Juiz adia definição sobre lei que poderia mudar rumo da eleição nos EUA

Corte da Pensilvânia queria tornar obrigatória a apresentação de um novo documento eleitoral que afetaria pessoas carentes e imigrantes

iG São Paulo |

Um juiz da Pensilvânia adiou a definição de uma lei eleitoral polêmica e que poderia afetar a eleição presidencial de novembro nos Estados Unidos. Robert Simpson foi instruído pela Suprema Corte para protelar uma decisão sobre a obrigatoriedade de eleitores americanos apresentarem um documento específico na hora de votar. Segundo as autoridades locais, não haveria tempo suficiente para providenciar as novas carteirinhas. Entidades de defesa dos direitos civis e, principalmente, grupos ligados ao Partido Democrata afirmam que tal medida iria beneficiar apenas a candidatura de Mitt Romney.

AP
Obama e Romney disputam arrecadação e eleitores para novembro (fotos de arquivo)

Em audiência realizada nesta terça-feira, o juiz americano afirmou que os eleitores do estado da Pensilvânia poderiam apresentar o comprovante de registro eleitoral com foto se já o tivessem, mas que o documento não seria obrigatório na hora de votar.

Pena D. Hair, fundadora de uma das entidades que questionaram a medida, mostrou seu descontentamento. "Estamos felizes que os eleitores da Pensilvânia poderão votar com documentações tradicionais. Mas estamos preocupados porque poderá haver confusão na hora", disse. "Essa medida é paliativa, não vai acabar com os nosso problemas eleitorais".

A leia que obrigava a produção de um novo documento para viabilizar a votação foi aprovada no início de 2012 no estado da Pensilvânia sem apoio do Partido Democrata. Cerca de 11 projetos semelhantes foram votados em unidades da federação americana com predomínio de republicanos.

Juristas e políticos que defendem a proposta afirmam que ela irá diminuir a possibilidade de fraude. Democratas, porém, dizem que a medida afeta grande parte dos eleitores pobres e imigrantes, que não teriam tempo ou meios para isso.

Segundo pesquisas, grande parte dos americanos apoiam a nova medida, embora nenhum estudo tenha comprovado que, de fato, exista registros de fraudes eleitorais nos Estados Unidos.

A Pensilvânia é um dos Estados-chave para a próxima eleição presidencial, disputada entre Barack Obama e Mitt Romney. Segundo analistas americanos, o local é volátil, podendo fechar o pleito com a maioria de votos para os democratas ou para os republicanos. Uma pesquisa divulgada pelo New York Times, no entanto, revelou que Obama lidera as intenções de voto na Pensilvânia em 12%.

Com NYT

    Leia tudo sobre: eleição nos euamitt romneyobama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG