Rebeldes do Exército Sírio Livre assumem ataque; grupo libanês diz que militar morreu cumprindo seus 'deveres jihadistas'

O Hezbollah confirmou a morte de um alto comandante, nesta terça-feira, em um possível enfrentamento entre combatentes do grupo extremista do Líbano e rebeldes do Exército Sírio Livre. Segundo autoridades islâmicas, Ali Hussein Nassif foi morto desempenhando "os seus deveres jihadistas", sem especificar o local e as circustâncias do episódio.

Militantes do Hezbollah participam do enterro do comandante Ali Hussein Nassif
Reprodução
Militantes do Hezbollah participam do enterro do comandante Ali Hussein Nassif

Por outra lado, rebeldes sírios afirmam que Hussei e um grupo de combatentes libaneses foram mortos após uma emboscada próxima à fronteira entre os dois países. O Hezbollah não confirmou a informação e negou que o grupo esteja oferecendo apoio militar às forças de segurança ligadas ao presidente da Síria, Bashar Al-Assad.

Veja: Especial do iG sobre mundo árabe

Recentemente, os Estados Unidos acusaram o grupo libanês de providenciar "treinamento, apoio logístico e informações militares" ao governo sírio. Autoridades do Líbano endossam a suspeita americana e citam inúmeros enterros secretos de "mártires" do Hezbollah.

Leia também: Na ONU, Síria acusa EUA e outros países de apoiarem rebeldes terroristas

Diversos relatos sobre a morte de militantes do Hezbollah foram publicados pelos jornais libaneses nas últimas duas semanas com poucas informações sobre as circunstâncias envolvendo as vítimas.

Segundo testemunhas ouvidas pela agência de notícias Reuters, Nassif e outros dois militares do Hezbollah foram mortos após um foguete atingir o prédio em que estavam na cidade de Baalbek, no Vale de Bekaa, no domingo. Fontes oficiais não confirmaram a informação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.