Centenas manifestam apoio a uma moça de 27 anos em frente ao tribunal em Túnis

Uma mulher de 27 anos, acusada de "atos indecentes", foi interrogada por um juiz de instrução na capital da Tunísia, nesta terça-feira, e atraiu uma multidão de simpatizantes nas ruas próximas ao tribunal. O incidente tem causado a revolta da população feminina do país pelas circunstâncias contraditórias. Ela alega que foi estuprada por dois policiais após uma abordagem de rotina e que tem sido pressionada para desistir da denúncia.

Centenas de pessoas aguardavam a saída da jovem, que entrou no tribunal com o rosto inteiramente coberto, com óculos escuros e um boné preto. Seu namorado, que teria presenciado o estupro, também responde por "atos indecentes". Se condenados, ambos podem pegar até seis meses de prisão

Moça de 27 anos deixa o tribunal da capital Túnis com o rosto coberto
AP
Moça de 27 anos deixa o tribunal da capital Túnis com o rosto coberto

Segundo as autoridades tunisianas, os policiais que participaram da abordagem estão presos e aguardam para serem interrogados. Segundo relatos, três agentes pararam o carro em que estava o casal, levaram a moça para uma viatura e dois deles cometeram a violação sexual. Todos negam a acusação. Se condenados, podem enfrentar a pena de morte - nos últimos 20 anos, porém, ninguém foi executado pela justiça do país.

A advogada que defende o casal, Ahlem Belhadj, disse que o caso "é uma vergonha para a Tunísia". "Em nossa cultura, até mesmo dentro de nossa constituição, há uma tendência de culpar a pessoa que foi estuprada". Ela também afirmou que a mulher envolvida no caso está em um estado "bastante frágil, mas determinada em lutar pelos seus direitos".

Partido islâmico

Desde a saída do presidente da Tunísia na chamada Primavera Árabe, em 2011, o partido Ennahda governa o país com leis bastante rígidas para as mulheres muçulmanas. Apesar de ter mais liberdades que em outros países governados pela lei islâmica, a Tunísia tem observado o aumento de casos semelhantes ao dessa moça de 27 anos.

Com BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.