Tribunal russo adia audiência de recurso da banda Pussy Riot

Julgamento foi adiado para 10 de outubro após integrante do grupo rejeitar trabalho dos advogados de defesa

iG São Paulo | - Atualizada às

Um tribunal russo adiou nesta segunda-feira a audiência relativa ao recurso das três integrantes da banda punk feminina Pussy Riot contra a condenação por terem feito um protesto contra o presidente Vladimir Putin dentro de uma catedral.

Cerca de cem pessoas - entre simpatizantes das Pussy Riot com camisetas coloridas, e seguidores da Igreja Ortodoxa Russa, principalmente idosos - lotavam os corredores do tribunal. Muita gente ficou para fora.

Leia também: Igreja russa pede arrependimento da banda Pussy Riot

AP
Maria Alekhina, Yekaterina Samutsevich e Nadezhda Tolokonnikova durante audiência em Moscou

Yekaterina Samutsevich, uma das condenadas, sentou-se numa cela de metal e vidro colocada no tribunal, ao lado das duas colegas, e disse que discordava da forma como seus advogados lidavam com o caso. Por isso, a audiência foi adiada para o dia 10.

"Minha posição a respeito do processo penal não bate com a posição (dos advogados)", disse Tolokonnikova no pequeno plenário. Ela não entrou em detalhes.

Leia também: Rússia condena banda punk feminina que protestou contra Putin

Os simpatizantes das artistas soltaram três grandes balões, um vermelho, um azul e um amarelo, todos com o nome da banda. Um ativista ortodoxo segurava um cartaz que dizia: "Vergonha para os advogados, prisão para as blasfemas."

Governos ocidentais viram na condenação às artistas um sinal de que o governo Putin reprime com rigor qualquer forma de dissidência. Muitos russos, no entanto, acham que a banda foi ofensiva e estava querendo aparecer ao fazer sua "oração punk" contra Putin em agosto, na catedral de Cristo Salvador.

Pressão

Mark Feigin, um dos três advogados das rés, disse que só no fim de semana soube da decisão de Samutsevich, e que ela pode afetar a linha de defesa, que se baseia em alegar a motivação política da acusação.

"A pressão não está cedendo. Ela continua e seria ingênuo pensar que as autoridades vão deixá-la acabar", disse outro advogado, Nikolai Polozo. "De vários lados estão tentando enfraquecer a posição delas. Elas têm a linha de não admitir culpa, e considerar que eles cometeram apenas uma infração administrativa", acrescentou. "As autoridades não gostam disso."

Segundo dois de seus três advogdos, Samutsevich teria sido pressionada pelas autoridades russas, que queriam que ela mudasse de posição no caso alegando arrependimento para conseguir uma pena mais branda. "Enviaram funcionários e ameaçaram tomar seus filhos. Tentaram mudar sua postura, que assegurava que as meninas não haviam cometido nenhum crime", disse Nikolai Polozov.

Celebridades globais, como Paul McCartney e Madonna, fizeram apelos por leniência às mulheres antes de elas receberem o veredicto, em 17 de agosto.

Com Reuters

    Leia tudo sobre: rússiamoscoupussy riotputin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG