Jovem é baleado e morre durante protesto contra governo no Bahrein

Ali Hassan Namah, de 17 anos, foi alvejado por tiros disparados por policiais e é o segundo jovem morto nessas circunstâncias nos últimos dois meses; governo fala em 'ataque terrorista'

EFE |

EFE

Um adolescente de 17 anos morreu neste sábado (29) no Bahrein após ser baleado pela polícia quando participava de um protesto contra o governo, informaram fontes oficiais e testemunhas.

Ali Hassan Namah morreu na aldeia de Sadad em função dos ferimentos causados por tiros disparados a queima-roupa pela polícia. Ele foi o segundo menor morto em circunstâncias similares nos dois últimos meses.

Leia mais: Esperança de reforma desaparece no Bahrein e ativistas culpam EUA

Relembre: Ativista do Bahrein disse que encerraria greve de fome

O Ministério do Interior disse em comunicado que o incidente aconteceu depois que um carro da polícia foi alvo de um "ataque terrorista" com coquetéis molotov, o que levou os agentes a responderem "de acordo com a lei". "Um dos participantes deste ato terrorista ficou ferido e posteriormente declarado morto no mesmo lugar", justificou o órgão.

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre o Bahrein

AP
Tropa de choque dispersa manifestantes com gás lacrimogêneo em uma estrada na capital do Bahrein, Manama, em fevereiro; cena se tornou corriqueira no país

No entanto, familiares e testemunhas desmentiram esta versão e asseguraram que a polícia realizou uma emboscada contra os manifestantes. "Estávamos nos manifestando e ele estava à frente", disse um participante no protesto que pediu para não ser identificado. "Quando chegamos na estrada principal, um policial que estava escondido abriu fogo a queima-roupa, e quando Namah caiu, o agente pôs seu pé sobre o corpo e lançou gás lacrimogêneo para se assegurar que não podíamos chegar até ele", acrescentou.

Forças de segurança isolaram o local onde o jovem foi morto e ocorreram enfrentamentos entre familiares do adolescente e a polícia, que utilizou gases e bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes e os jornalistas presentes.

A morte de Namah é a segunda de um menor em uma manifestação nos dois últimos meses. Em 16 de agosto, Hussam al Haddad, de 16 anos, foi morto pela polícia quando, segundo as autoridades, participava de um "ataque terrorista" contra um veículo.

A morte do rapaz ocorreu horas depois do Bahrein ser eleito representante da Ásia no comitê consultivo do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Segundo a oposição, já morreram nos Bahrein 114 pessoas desde que começaram os protestos contra o regime, em fevereiro de 2011.

Este pequeno reino de maioria xiita é cenário desde então de contínuos protestos populares para pedir reformas políticas, manifestações que foram reprimidas pela força pela monarquia sunita governante.

    Leia tudo sobre: bahreinviolênciamorterepressãoprotestos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG