Doente, Fujimori vai pedir perdão ao presidente do Peru

Preso por corrupção e violações de direitos humanos, ex-presidente luta contra o câncer

Reuters |

Reuters

O ex-presidente peruano Alberto Fujimori, preso por corrupção e violações de direitos humanos, está mal de saúde por causa de um câncer oral e pedirá perdão humanitário ao atual chefe de Estado, Ollanta Humala, disse sua filha nesta sexta-feira.

O perdão humanitário, que pode ser concedido após diversos exames médicos e judiciais, permitiria que Humala obtivesse apoio parlamentar do partido direitista de Fujimori, solidificando a margem de manobra do governista Gana Perú.

Reuters
Médicos examinam o ex-presidente Alberto Fujimori, diagnosticado com câncer na garganta

Mas o perdão irritaria muitos peruanos de esquerda, que passaram anos tentando derrubar Fujimori e, depois da sua renúncia, lutando para colocá-lo na cadeia. Eles se lembram de Humala como um jovem oficial do Exército que se contrapunha ao autoritário presidente e exigia publicamente sua renúncia.

Alguns céticos dizem que o perdão pode ter abrangentes implicações políticas, inclusive levando o Congresso a aprovar uma reforma constitucional que permita à ambiciosa primeira-dama Nadine Herrera disputar a presidência em 2016.

Fujimori foi presidente entre 1990 e 2000, quando se refugiou no Japão. Em 2007, ele foi extraditado do Chile para o Peru, onde mais tarde foi sentenciado numa série de julgamentos a 25 anos de prisão por apropriação de recursos públicos e formação de esquadrões da morte para reprimir insurgentes.

Na segunda-feira, a Corte Interamericana de Direitos Humanos determinou ao Peru que anule uma decisão tomada em julho pela sua Suprema Corte, que rebaixou os crimes cometidos pelos esquadrões da morte, algo que advogados de Fujimori esperavam usar para obter a libertação antecipada do seu cliente. A derrota imposta pelo tribunal internacional levou a família de Fujimori a dizer nesta sexta-feira que buscaria o perdão presidencial.

AP
Presidente do Peru faz discurso no dia da independência do país, em Lima (arquivo)

Fujimori, de 74 anos, tem câncer na boca e está deprimido, segundo sua família e seu advogado. Críticos dizem que prisioneiros muito mais doentes não são perdoados. Humala em alguns momentos parece disposto a conceder o perdão, embora alguns dos seus assessores claramente se oponham.

"Esperamos que haja uma mudança de atitude por parte de pessoas que falam pelo governo, e que essa solicitação seja avaliada sobre bases humanitárias, não políticas", disse a filha do ex-presidente, a deputada Keiko Fujimori, derrotada por Humala na última eleição presidencial. Ela disse que a solicitação de perdão será oficializada nos próximos dias.

Fujimori teve o mérito de domar a hiperinflação e abrir a economia peruana ao comércio e aos investimentos externos, permitindo que o país chegasse a ter uma das maiores taxas de crescimento na América Latina. Ele também derrotou militarmente a guerrilha maoísta Sendero Luminoso, mas seu estilo autoritário e a corrupção disseminada levaram os peruanos a se voltarem contra ele, até sua fuga, em 2000.

(Reportagem de Terry Wade)

    Leia tudo sobre: MUNDOPERUHUMALAPERDAO

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG