Segundo levantamento divulgado nesta terça-feira, Capriles está 10 pontos percentuais atrás do presidente venezuelano

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, continua favorito para vencer as eleições presidenciais do país, marcadas para 7 de outubro, embora o opositor Henrique Capriles Radonski tenha melhorado seu desempenho na útlima pesquisa de intenção de voto.

De acordo com levantamento do instituto Datanálisis, divulgado nesta terça-feira, Chávez tem 49,4% das intenções de voto contra 39% de Capriles. Os indecisos ficam em 11,6%.

Leia também: 'Minha fraqueza são as mulheres', diz candidato da oposição venezuelana

O candidato à presidência da Venezuela Henrique Capriles durante evento de campanha em Barinas (24/09)
AP
O candidato à presidência da Venezuela Henrique Capriles durante evento de campanha em Barinas (24/09)

Os números mostram que o candidato opositor reduziu a diferença para Chávez de 20,4 para 10,4 pontos percentuais entre maio e setembro, afirmou o presidente do instituto, Luis Vicente León. "Capriles foi o único candidato que cresceu", afirmou León, antes de destacar que todos os cenários "estão abertos".

Na reta final da campanha, Chávez investe em comícios e discursos mais rápidos e em maior número. "Não vamos baixar a guarda. Vamos intensificar o passo e atacar com força todos os dias que nos restam até 7 de outubro", afirmou o presidente, diante de milhares de partidários reunidos em uma rua da cidade de Acarigua, em Portuguesa, oeste do país.

Em menos de duas horas, o presidente de 58 anos - que assegura ter se curado do câncer detectado em 2011 -, chegou de helicóptero a esta pequena cidade rural, percorreu centenas de quilômetros a bordo de um caminhão sem capota e falou à multidão dominada pelo vermelho, cor de seu Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV). "Nossa candidatura entra na reta final fortalecida e fortalecendo-se", afirmou.

A rapidez do comício contrastou com os longos discursos de Chávez no início da campanha. Em Acarigua, o presidente aparentou um certo cansaço, mas, mesmo assim, cantou, dançou e falou com seus seguidores.

Com AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.