Dilma se reúne com chefe indonésio para tratar de brasileiro condenado à morte

Reunião bilateral teria sido solicitada pelo presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono. Brasileiro foi condenado por tráfico de cocaína após ser preso em 2003

Carolina Cimenti , em Nova York | - Atualizada às

A presidenta Dilma Rousseff deve se reunir nesta terça-feira (25) com o presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, para tratar do caso do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 50 anos, que foi condenado à morte por fuzilamento por ter tentado entrar na Indonésia em 2001 com mais de dez quilos de cocaína. Segundo o iG apurou, a reunião teria sido solicitada pelo país asiático.

Leia também: 
Em meio a tensões, Dilma deve oferecer 'visão moderada' em fala na ONU
Comissão Europeia pede a Dilma reabertura de negociações Mercosul-UE

Divugação
A presidenta Dilma Rousseff chega a Nova York para encontro da ONU

No fim de junho deste ano foi divulgado que a Justiça da Indonésia havia autorizado a execução do brasileiro . Mas dias depois, o  embaixador do Brasil no país disse que o procurador-geral indonésio, Basrif Arief, desmentiu a informação .

Moreira foi preso em 2003 ao tentar ingressar na Indonésia com 14 kg de cocaína. Nem os apelos do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao colega indonésio conseguiram reverter a situação, por meio de um perdão presidencial.

A princípio, o brasileiro não poderia ser morto, pois estaria aguardando a resposta da segunda carta de clemência. Pela lei indonésia, um condenado à morte pode apresentar duas cartas de clemência ao presidente do país.

"A resposta afirmativa ou negativa a esse pedido de clemência ainda não foi divulgada pelo governo da Indonésia. Por enquanto, não há decisão e sem isso não pode haver execução alguma"', explicou o embaixador na época.

Reprodução
O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, condenado à morte por tráfico internacional de drogas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG