Avalanche mata nove alpinistas e deixa desaparecidos no Himalaia

Maioria das vítimas é francesa. Expedição foi atingida por grande massa de gelo no acampamento

iG São Paulo | - Atualizada às

Uma avalanche neste domingo na montanha Manaslu, a oitava mais alta do mundo, na cordilheira do Himalaia nepalês, deixou pelo menos nove alpinistas mortos e seis desaparecidos. A expedição estava a 7 mil metros quando uma grande massa de neve e gelo atingiu o local de  acampamento na manhã deste domingo, dia em que o grupo subiria até o cume do monte Manaslu, de 8.156 metros.

Leia também:  Três alpinistas morrem ao descer do Monte Everest

"A maioria das pessoas mortas é francesa", disse o sherpa Ang Tshering, vice-presidente da Associação de Alpinistas do Nepal, após uma conversa por telefone por satélite com membros da expedição. A informação foi confirmada pela Associação Francesas de Guias de Montanha. "Há sete vítimas francesas. Tivemos essa informação direto do acampamento", disse Denis Crabieres, chefe da da instituição. 

Já um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores francês não confirmou as mortes, mas disse que "pelo menos três" alpinistas franceses foram feridos.

AP
Vítimas são resgatadas e levadas para a base de atendimento na montanha Manaslu, no Himalaia






No momento da avalanche, às 5h (horário local), os alpinistas estavam dormindo em suas barracas e foram atingidos em cheio pela grande massa de neve e gelo. 

O alpinista alemão Andreas Reitero, de 26 anos, disse que estava dormindo em sua barraca quando a avalanche chegou. 

"Foi um barulho alto. Fiquei com medo", disse Reitero à Reuters do hospital em Katmandu depois de ser resgatado por um helicóptero da montanha, 100 quilômetros a noroeste da capital.  "Eu fiquei tão confuso que não posso dizer a distância que fui carregado ou quantas pessoas estavam no acampamento na hora da avalanche", disse ele, que está sendo tratado por uma lesão nas costas. "Eu tive sorte. Não fui arrastado muito longe e fiquei de fora (...), não enterrado na neve".

Reitero fazia parte de um grupo de 13 alpinistas –11 alemães e dois austríacos. Um dos alemães do grupo morreu, disse ele. 

O governo da Espanha confirmou que um espanhol está entre os mortos, enquanto a imprensa italiana informou que o alpinista Alberto Magliano, de 66 anos, está entre as vítimas. De acordo com o consulado da Itália em Calcutá, nove italianos integravam a expedição.

Reuters
Alpinistas franceses (ao centro) após resgate de equipes nepalesas no alto do Manaslu, Himalaia



Números desencontrados

À agência Efe, um dos pilotos de helicóptero (envolvidos nos trabalhos de resgate), Steven Bruce Bokan, confirmou que já transportou um total de 11 corpos à base. Além disso, Bokan revelou que o número de desaparecidos na montanha poderia chegar a 38, segundo lhe explicou a encarregada de coordenar os trabalhos de resgate na base, Nima Sherpa.

Já as agências AP e BBC citam que pelo menos nove alpinistas foram encontrados mortos e outros seis estariam desaparecidos. Tinham permissão para escalar a montanha durante a temporada de outono, que termina em novembro, 231 alpinistas estrangeiros. 

O Nepal tem oito das 14 maiores montanhas do mundo, todas acima de 8.000 metros de altura, incluindo o Monte Everest, o maior do plante e que atrai milhares de alpinistas a cada ano. A Manaslu é considerada a mais perigosa.

*com EFE, AP, AFP e CNN

    Leia tudo sobre: himalaiaavalanchenepal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG