Motorista detonou carro cheio de explosivos em frente a uma igreja católica na cidade de Bauchi, região norte do país; terrorista também morreu no local

Três pessoas morreram e pelo menos 46 pessoas ficaram feridas neste domingo após um atentado suicida realizado durante uma missa na Igreja Católica de Bauchi, no norte da Nigéria. O terrorista, contado como a terceira vítima fatal, morreu quando detonou seu carro carregado de explosivos na entrada da igreja Saint John. As informações são da Agência Nacional de Gestão de Desastres da Nigéria (NEMA).

Entenda:  Ataques contra igrejas cristãs deixam seis mortos na Nigéria

O porta-voz da polícia de Bauchi, Hassan Auyo, informou aos jornalistas sobre as três vítimas mortais, entre elas o autor do ataque, e que os feridos foram transferidos pelos serviços de emergência aos hospitais da região. Ele disse ainda que as autoridades avaliam dados e situação das vítimas.

Nenhum grupo se responsabilizou ainda da explosão, embora toda a região norte da Nigéria seja palco frequente de ataques da seita islamita Boko Haram, que já atentou em numerosas ocasiões contra comunidades cristãs.

Seita

O Boko Haram, cujo nome significa em língua local "a educação não islâmica é pecado", defende e busca impor a lei islâmica no país africano, de maioria muçulmana no norte e preponderância cristã no sul.

Líder de facção islâmica desafia presidente nigeriano
Violência: Mortos em ataque a mercado de gado na Nigéria chegam a 60
Relatório: Boko Haram deixou quase mil mortos desde 2009


O atentado acontece apenas dois dias depois de a Força de Ação Conjunta (JTF) do Exercito da Nigéria ter anunciado a morte de dois líderes da seita radical em Maiduguri, bastião da organização no estado de Borno.

Desde 2009, quando a polícia nigeriana matou o líder do Boko Haram, Mohammed Yousef, os radicais realizam uma sangrenta campanha que já custou mais de 1,4 mil vidas, segundo os dados da organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch.

Com 170 milhões de habitantes integrados em mais de 200 grupos tribais, a Nigéria, o país mais povoado da África, sofre múltiplas tensões por suas profundas diferenças políticas, religiosas e territoriais.

*com EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.