Ministro paquistanês recompensará quem matar autor de vídeo contra Maomé

Ghulam Ahmed Bilour, ministro de Ferrovias do país asiático, oferece US$ 100 mil ao assassino e convoca apoio de talibãs e da rede Al Qaeda

EFE |

EFE

O ministro de Ferrovias do Paquistão, Ghulam Ahmed Bilour, anunciou neste sábado que recompensará com US$ 100 mil quem assassinar o autor do vídeo que ridiculariza Maomé. Em entrevista coletiva realizada na cidade de Peshawar, o ministro afirmou que está consciente que estimular um assassinato é crime, mas declarou estar pronto para cometer esse delito, segundo os jornais "Dawn" e "Express Tribune".

Prostestos: Em 'Dia de Amor' a Maomé, paquistaneses protestam contra filme anti-Islã

Saiba mais: Paquistão põe Exército na rua para controlar protestos contra filme

"Se existir alguma causa contra mim em uma corte internacional ou nacional, pedirei ao povo que me entregue", disse Bilour, justificando sua medida ao sustentar que é o único modo de amedrontar os blasfemos.

O ministro de Ferrovias solicitou o apoio dos talibãs e da rede terrorista Al Qaeda e pediu que "os ricos ponham à disposição da causa todo seu dinheiro, para que assim o assassino possa ser banhado em ouro e dólares".

O Paquistão viveu ontem um dia sangrento durante a celebração do recém instaurado "Dia de Amor a Maomé", com a morte de pelo menos 19 pessoas nos distúrbios registrados nas cidades de Peshawar e Karachi.

    Leia tudo sobre: paquistãoministrovídeomaoméassassinatorecompensa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG