Vice chinês reaparece e diz que compra de ilhas pelo Japão é 'farsa'

Encontro com secretário de Defesa dos EUA é primeira aparição de Xi Jinping em semanas, uma ausência que provocou rumores sobre sua saúde

iG São Paulo |

O vice-presidente da China, Xi Jinping, apontado como futuro líder do país, recebeu nesta quarta-feira em Pequim o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta. Foi a primeira aparição de Xi em semanas, uma ausência que provocou rumores sobre sua saúde . Agências oficiais noticiaram outros eventos do qual o vice teria participado, mas sem divulgar imagens.

Segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua, um dos principais temas do encontro foi a disputa pelas ilhas que a China chama de Diaoyu e o Japão chama de Senkaku. Xi chamou de "farsa" a compra do território pelo governo japonês. 

Leia também: Aniversário de invasão intensifica tensões entre Japão e China

AP
O secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, cumprimenta o vice-presidente chinês, Xi Jinping, em Pequim

"O Japão deveria moderar seu comportamento e interromper quaisquer palavras e atos que abalem a soberania e a integridade territorial da China", disse o vice-presidente.

As relações entre as duas maiores economias da Ásia atravessam sua pior fase nas últimas décadas. Grandes manifestações têm ocorrido nesta semana na China - aniversário da ocupação japonesa de 1931 -, e os dois países mobilizaram forças navais no mar do Leste da China, em torno das ilhas.

Washington assegura que não tomará partido na disputa. Na reunião, que durou mais de uma hora e foi além dos 45 minutos previstos inicialmente, Xi e Panetta também abordaram assuntos como Coreia do Norte e as relações militares bilaterais.

O secretário de Defesa americano expressou sua confiança em que os dois países poderão melhorar seu diálogo. Embora tanto Pequim como Washington expressem seu interesse por aumentar suas relações militares, ambos os governos mantêm suspeitas mútuas.

Leia também: Chineses protestam contra Japão e reivindicam ilhas disputadas

Desta forma, os EUA criticam a falta de transparência da China ao modernizar suas Forças Armadas, enquanto Pequim suspeita da ampliação da presença militar americana na região da Ásia Pacífico, onde Washington anunciou que desdobrará 60% de sua força naval em 2020.

Lesão na coluna

Uma autoridade chinesa ouvida pela rede CNN disse que a ausência de Xi foi provocada por uma lesão nas costas, causada durante prática esportiva, supostamente natação.

"Ele se machucou no esporte e agora está recuperado. Agora está de volta ao trabalho", disse o ex- líder de Hong Kong Tung Chee-hwa, agora vice-presidente de um órgão consultivo do Parlamento da China.

Funcionários do governo chinês recusaram-se diversas vezes a dizer o que tinha acontecido com Xi, alimentando especulações que incluíam um suposto ataque cardíaco, um acidente vascular cerebral, uma cirurgia relacionada a um câncer e até mesmo uma tentativa de assassinato.

"Na China, a saúde de líderes influentes não é uma questão pública. Acho que, com o tempo, à medida que a China se torna mais e mais aberta, e é também uma parte do mundo, todas essas coisas irão depois mudar", disse Tung.

Com Reuters e EFE

    Leia tudo sobre: chinaeuaxi jinpingjapão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG