Oposição russa realiza novo protesto contra Vladimir Putin após três meses

Manifestantes tomam as ruas de Moscou na chamada "Marcha dos milhões"

Reuters |

Reuters

Milhares de manifestantes gritando "Rússia sem Putin" deram início a uma passeata neste sábado em Moscou, em um protesto visto como teste da oposição em sustentar um movimento de desafio ao presidente russo Vladimir Putin.

A chamada "Marcha dos milhões" começou sob um céu nebuloso, indo da Praça Pushkin, no centro, por um caminho que os levaria até perto do Kremlin, no que pretende ser o primeiro grande protesto da oposição nos últimos três meses.

AP
Marcha contra Vladimir Putin reúne milhares nas ruas de Moscou

Alguns portavam cartazes com a inscrição "Putin é um parasita". Outras usavam camisetas nas quais se lia o pedido de libertação de três integrantes da banda punk Pussy Riot, presas depois de fazer uma "oração punk" numa igreja em protesto contra o apoio de líderes religiosos a Putin.

Leita também: Premiê da Rússia defende libertação de integrantes da banda Pussy Riot

A manifestação indicará se o movimento de protesto iniciado nove meses atrás, que em alguns momentos atraiu dezenas de milhares de pessoas às ruas, ainda tem fôlego quatro meses depois de Putin ter tomado posse de mais um mandato presidencial de seis anos.

Embora o Kremlin tenha anunciado pequenas reformas, logo depois do início dos protestos, em dezembro, a vitória de Putin teve indícios de fraude. Além disso, a oposição continuou desunida, sem um claro líder.

"Nós estamos protestando contra a total falta de lei, corrupção total, falta de liberdade civil, ausência de tribunais independentes e injustiça social", disse Sergei Yevseyev, de 35 anos, que trabalha para uma companhia internacional de navegação.

Saiba mais: Putin vence eleição e oposição denuncia fraude

Testemunhas disseram que os líderes da oposição parecem ter alcançado seu objetivo de atrair pelo menos 50 mil pessoas, o suficiente para manter a dinâmica de seu movimento, mas quase certamente muito pouco para criar preocupação no Kremlin.

A polícia estava concentrada na área, embora os organizadores da manifestação tenham recebido permissão para realizar o protesto.

    Leia tudo sobre: MUNDORUSSIAPROTESTOPUTIN

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG