Em primeira entrevista, Shakil Afridi afirmou não saber que Bin Laden estava em local onde obteve amostras de DNA usadas pela CIA para encontrá-lo

BBC

O médico paquistanês Shakil Afridi, que ajudou a CIA a achar Bin Laden (09/07/2010)
AP
O médico paquistanês Shakil Afridi, que ajudou a CIA a achar Bin Laden (09/07/2010)

O médico paquistanês envolvido na caçada a Osama bin Laden disse que não sabia o papel que estava desempenhando no assassinato do chefe da Al-Qaeda, em maio de 2011, em uma recente entrevista concedida de dentro da prisão.

Shakil Afridi teria se passado por um representante de uma campanha de vacinação contra hepatite B para tentar obter amostras de DNA de familiares do saudita que chefiava a rede extremista internacional.

Leia também:  Paquistão condenou médico por ajudar militância, e não a CIA

"Eu sabia que alguns terroristas estavam residindo naquele local, mas eu não sabia quem. Eu fiquei chocado, não acreditava que estava envolvido com o assassinato", contou em uma entrevista ao canal Fox News, feita por telefone, de dentro da prisão na cidade de Peshawar, no Paquistão.

Foi a primeira vez que o médico falou com a imprensa desde que foi detido. Ele contou ter sido torturado com choques elétricos e queimaduras de cigarro quando interrogado pela agência de inteligência do Paquistão (ISI, na sigla em inglês).

Afridi disse que ficou vendado por oito meses e algemado por um ano em uma cela embaixo do quartel-general do ISI. "Eles diziam: Os americanos são os nossos piores inimigos, piores do que os indianos", conta.

O médico lembra que foi aconselhado pela agência de inteligência americana, CIA, a fugir para o Afeganistão. No entanto, ele disse que tinha medo de cruzar a fronteira dos países e pensou que não seria necessário fugir, já que não sabia que estaria envolvido na morte de Bin Laden.

Afridi foi preso 20 dias depois da morte do chefe da Al-Qaeda, no dia 22 de maio do ano passado, em um posto de controle em Hayatabad. Ele foi condenado a 33 anos de prisão em maio deste ano por financiar e auxiliar um grupo militante. No entanto, diversos correspondentes dizem que é senso comum que a pena é uma punição por ter ajudado a CIA.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.