Discurso de Michelle Obama motiva voluntárias na Convenção Democrata

‘Ela me fez perceber quão sortuda é por te um marido como Obama’, diz aposentada que faz parte de legião de 10 mil voluntários em Charlotte

Leda Balbino - Charlotte, EUA * | - Atualizada às

A primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, fez a aposentada Katheleen Allen chorar na noite de terça-feira, quando em discurso na Convenção Democrata pontuou as qualidades de Barack Obama como pai e marido amoroso para defender sua continuidade na Casa Branca.

“Chorei. Ela me fez perceber quão sortuda é por ter um marido como ele”, disse ao iG no Conventional Center de Charlotte, cidade da Carolina do Norte onde ocorre o evento que oficializará o líder americano como candidato à reeleição para as eleições de 6 de novembro .

Leia também:  Em tom emotivo, democratas lançam Obama para reeleição

Leda Balbino
Voluntária Anne Cushman ficou impressionada com passado humilde relatado por Michelle Obama em discurso

A “eloquência e inteligência” de Michelle a impressionaram tanto que Katheleen gostaria que os próximos quatro anos não fossem eventualmente os últimos dos Obama na presidência. “Acho que Michelle poderia se candidatar em 2016. Se fosse reeleita, teríamos mais 12 anos dos Obamas no poder”, afirmou a ex-tecnóloga de medicina nuclear de 60 anos.

O entusiasmo com Michelle é compartilhado pela professora aposentada Angela Weathers, 62 anos, para quem o discurso da primeira-dama reforçou o otimismo em relação ao futuro dos EUA. “A economia vai melhorar”, disse em referência ao tema dominante da campanha. “Obama apenas começou. Acredito nele e acho que ele merece mais quatro anos”, afirmou a residente de Elizabethtown, no Estado de Kentucky.

Katheleen e Angela fazem parte de uma legião de 10 mil voluntários que oferecem seu tempo e gastam seu próprio dinheiro para estar na Convenção Democrata e tentar ajudar como podem a campanha eleitoral. Eles fazem de tudo um pouco. Dão informações sobre o sistema de transporte, informam a localização das salas de reunião, auxiliam na segurança e trabalham também nas lojas que vendem dezenas de produtos relacionados à campanha.

O objetivo da maioria é sentir que tem um papel ativo no processo eleitoral e se energizar com o ambiente político da convenção para reforçar o ativismo nas cidades onde moram. Além da atuação em Charlotte, Katheleen manterá seu trabalho como voluntária de Obama quando voltar a Yongsville, também na Carolina do Norte, onde faz registros eleitorais e também chamadas telefônicas para estimular as pessoas a comparecer às urnas.

Leda Balbino
Katheleen Allen e Angela Weathers, que trabalham como voluntárias na Convenção Democrata

Já a procuradora estadual Anne Cushman, 63 anos, planeja direcionar a energia concentrada na convenção para atuar de forma mais ativa em sua cidade natal de Columbia, na Carolina do Sul. Enquanto trabalhava como voluntária na venda de produtos de campanha, Anne também mencionou o discurso de Michelle como um estímulo para não limitar seu ativismo à convenção.

“Fiquei impressionada com sua eloquência, sua paixão e autenticidade”, disse a procuradora, que se mostrou especialmente tocada pelo relato de Michelle sobre o passado humilde dela e de Obama. “Os dois vêm de famílias simples. O fato de terem vivido dificuldades os tornam mais capazes de entender os problemas atuais de milhares de americanos. Eles se importam com todos os tipos de pessoas na sociedade”, concluiu.

* Repórter viaja como bolsista do World Press Institute

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG