Paquistão prende imã que acusou jovem cristã de blasfêmia

Há suspeita de que religioso falsificou provas para incriminar adolescente, que está presa há duas semanas por ter, segundo denúncias, queimado páginas com versículos do Alcorão

iG São Paulo |

O imã que acusou de blasfêmia a adolescente cristã Rimsha foi detido pela polícia, que suspeita que o religioso tenha falsificado provas, informaram fontes dos serviços de segurança do Paquistão.

Rimsha, que vive em um bairro pobre de Mehrabad, nas proximidades de Islamabad, está detida há mais de duas semanas por ter, segundo denúncias de vizinhos, queimado algumas páginas do livro "Noorani Qa¯da", um manual de introdução ao islã para crianças que contém versículos do Alcorão.

Leia:  Presidente do Paquistão pede relatório sobre jovem cristã acusada de blasfêmia

AFP
Imã Khalid Chishti é preso pela polícia após investigação apontar que sua acusação contra menina cristã pode ser falsa


No Paquistão, a queima de versículos do Alcorão pode ser punida com prisão perpétua.

No sábado, um juiz paquistanês decidiu adiar para segunda-feira a audiência prevista para decidir sobre a libertação condicional da jovem Rimsha porque existiam dúvidas sobre a validade dos documentos apresentados ao tribunal.

"O imã (Khalid Chishti) foi preso depois que seu vice, Maulvi Zubair, e outras duas pessoas terem afirmado a um magistrado que ele colocou páginas do Alcorão entre as páginas queimadas trazidas a ele por uma testemunha", disse o investigador Munin Hussain Jaffri.

Alemanha: Distribuição gratuita de Alcorão preocupa autoridades

Segundo Jaffri, o imã teria dito que "vocês sabem que esta é a única forma de expulsar os cristãos dessa área".

"Ao colocar essas páginas nas cinzas, ele também cometeu profanação do sagrado Alcorão e ele está sendo acusado de blasfêmia", disse.

O caso provocou indignação da comunidade internacional. No início da semana, um tribunal estendeu a detenção de Rimsha para mais duas semanas em um presídio de segurança máxima.

Segundo a rede britânica BBC, o pai da garota disse que teme pela vida de sua filha e pela segurança de sua família. Ele pediu para que o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, perdoasse Rimsha.

Os pais de Rimsha foram levados sob custódia devido a ameaças e muitas famílias cristãs deixaram o bairro, temendo represálias.

Com AFP e BBC

    Leia tudo sobre: blasfêmiaalcorãopaquistãorimshaqueimamenina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG