Igreja Católica 'parou há 200 anos', diz cardeal italiano

Carlo Maria Martini, que morreu na sexta-feira, afirmou em sua última entrevista que a cultura católica 'envelheceu' e que 'ritos religiosos e vestimentas são pomposos'

BBC |

BBC

AP
Cardeal Carlo Maria Martini criticou a doutrina católica antes de morrer, em sua última entrevista

A Igreja Católica está "200 anos atrás" dos tempos atuais, nas palavras do cardeal italiano Carlo Maria Martini, que morreu na sexta-feira aos 85 anos. A opinião do religioso - que chegou a ser citado como cotado ao papado - foi dada durante a sua última entrevista, gravada em agosto e publicada pelo jornal  Corriere della Sera , de Milão.

Leia: Igreja Católica pressiona judicialmente grupo de vítimas de abuso sexual

Simpósio do Vaticano: Casos de pedofilia custaram mais de US$ 2 bi à Igreja Católica

"A nossa cultura envelheceu, as nossas igrejas são grandes e vazias e a burocracia eclesiástica está crescendo, os nossos ritos religiosos e vestimentas são pomposos", afirmou o cardeal na entrevista, em que propôs uma mudança de direção radical.

Milhares de pessoas vêm prestando as suas últimas homenagens a Martini na catedral de Milão, onde ele foi arcebispo por mais de 20 anos, até se aposentar em 2002, já sofrendo do Mal de Parkinson.

VatiLeaks: Vaticano ordena julgamento de mordomo do papa por vazar documentos

Em sua última entrevista, o cardeal afirmou que muitos católicos perderam a confiança na Igreja Católica e defendeu, entre outras adaptações, uma postura mais generosa em relação aos divorciados. Além disso, ele pediu que a mudança comece no topo com uma "transformação radical, começando pelo papa e seus arcebispos".

Escândalos sexuais

Martini tinha voltado à Itália recentemente, depois de passar os últimos anos se aprofundando em estudos bíblicos em Jerusalém. "Os escândalos sexuais envolvendo crianças nos obrigam a uma viagem de transformação", disse Martini, referindo-se às várias acusações de pedofilia que surgiram contra líderes católicos nos últimos anos.

Leia também:  Papa diz que casos de abusos abalaram credibilidade da Igreja

O popular cardeal jesuíta era considerado liberal em diversos aspectos e foi muito respeitado pelos papas João Paulo 2º e seu sucessor, Bento 16. Analistas dizem que ele ficou conhecido como crítico corajoso durante a sua passagem pela maior diocese da Europa.

Ele não se furtava a tocar em temas que muitos no Vaticano consideram tabu, entre eles, o uso de preservativos para combater a Aids na África e o papel das mulheres no clero.

Em 2008, ele chegou a criticar a proibição da Igreja à contracepção, afirmando que a postura possivelmente afastou muitos fieis. Dois anos antes, ele declarara publicamente acreditar que camisinhas são, em algumas situações, "o menor dos males".

No entanto, é muito incomum que um integrante do alto escalão do clero critique abertamente a forma com que a Igreja põe seus ensinamentos em prática. Analistas afirmam que o papa agora tem pela frente uma decisão difícil: comparecer ou não ao funeral de Martini na segunda-feira - o que, para muitos, seria uma poderosa afirmação da unidade da Igreja Católica.

O atual pontífice é conhecido por não premiar líderes católicos que se atrevam a questionar a doutrina. A última entrevista do religioso foi dada no início de agosto a um jornalista e ao também jesuíta Georg Sporschill. O cardeal Martini foi um acadêmico e estudioso da bíblia respeitado, além de prolífico autor de livros populares sobre religião.

    Leia tudo sobre: carlo maria martiniigreja católicacardealvaticano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG