Mortos por explosão em refinaria chegam a 39, diz governo da Venezuela

Vazamento de gás teria provocado acidente. Segundo o governo, 86 pessoas ficaram feridas e não há risco de novas explosões

EFE |

EFE

Caracas, 25 ago (EFE).- O Governo da Venezuela informou neste sábado que subiu para 39 o número de mortos causados por uma explosão registrada na refinaria de Amuay (noroeste), uma das três que formam o Centro Refinador de Paraguaná (CRP), o maior do país e um dos maiores do mundo.

Leia também:  Sindicato acusa governo venezuelano de falta de manutenção em refinarias

Reuters
Fumaça sobe após explosão na maior refinaria da Venezuela

O vice-presidente venezuelano, Elías Jaua, declarou ao canal estatal que na medida em que foram reduzindo o fogo na refinaria e removendo os escombros encontraram "novos cadáveres". Jaua disse que 15 das vítimas são civis e em sua maioria parentes de militares que estavam nas casas do destacamento 45 da Guarda Nacional, um complexo militar com infraestrutura residencial. Confirmou, além disso, que "há seis corpos por identificar".

Jaua detalhou que há seis feridos hospitalizados na cidade de Punto Fijo onde fica a refinaria, enquanto outros nove foram levados a um hospital de Maracaibo, no vizinho estado de Zulia. Horas antes, o ministro do Petróleo e Mineração, Rafael Ramírez, explicou que a explosão aconteceu devido a um escapamento de gás, por motivos que ainda são desconhecidos. O gerente de refinamento do CRP, Jesús Luongo, descartou previamente que a emergência tenha sido causada por falta de manutenção e disse que investiram nesses trabalhos US$ 6 bilhões nos últimos três anos. EFE lb/ma

    Leia tudo sobre: venezuelarefinariamineraçãoAmuay

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG