Explosão de veículo na Colômbia mata seis, e autoridades suspeitam das Farc

Veículo de serviço público que seguia por uma estrada rural perto de Vista Hermosa, município do distrito de Meta, foi alvo da ação de 'terroristas', afirma ministro da Defesa

EFE |

EFE

Seis pessoas morreram na explosão de um veículo de serviço público que viajava neste domingo (26) em uma estrada rural perto de Vista Hermosa, município do departamento colombiano de Meta, informou uma fonte policial, que atribuiu a ação às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que atuam na região.

Leia mais: Exército colombiano estoura emissora clandestina das Farc

Leia mais: Governo Uribe protegeu paramilitares, diz ex-chefe de segurança

Relembre: Motocicleta-bomba das Farc mata criança na Colômbia

O ministro da Defesa, Juan Carlos Pinzón, por sua vez, falou na ação de "terroristas". A fonte da polícia disse inicialmente que nenhuma hipótese está sendo descartada e admitiu que entre as possibilidades estão "um atentado" com "explosivos dentro" do veículo, que uma encomenda tenha explodido ou que a explosão tenha acontecido acidentalmente "por uma falha no sistema de gás natural veicular (GNV)".

Tragédia: Ataque das Farc em festa popular deixa dois militares mortos

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia

A explosão do veículo, que ficou destruído, foi registrada por volta do meio-dia (horário local), na região da zona rural conhecida como Campo Alegre, a poucos quilômetros da cidade de Vista Hermosa e da vizinha San Juan de Arama. O ministro Pinzón disse que os terroristas "explodiram um veículo, quem sabe se por acidente ou porque estavam transportando explosivos porque tentavam assustar alguém, e mataram duas crianças". O fato aconteceu justamente quando Pinzón liderava um conselho de segurança na Base Militar de Apiay, no próprio departamento de Meta.

Pinzón disse a jornalistas que os autores da ação "precisam saber que, primeiro, a polícia vai perseguí-los e, depois, que esse tipo de ato terrorista não tem perdão em nenhuma legislação do mundo". Ele classificou o atentado como crime de lesa-humanidade por afetar civis e especialmente a crianças e reiterou que "a única coisa que os terroristas terão é mais prisões, mais baixas em combate e mais pressão da polícia".

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG