Dinheiro é usado em campanhas para que os estados de Washington e Colorado sejam os primeiros no país a adotar a legalização; assunto vai às urnas na votação geral de novembro

Reuters

Campanhas para que os Estados norte-americanos de Washington e Colorado sejam os primeiros nos Estados Unidos a legalizar a maconha para uso recreativo levantaram US$ 3 milhões antes da eleição de novembro.

Os proponentes da legalização da erva no Estado de Washington arrecadaram perto de US$ 2 milhões desde que a iniciativa se qualificou em janeiro para ser levada a votação, e cerca de US$ 1 milhão no Colorado desde que a medida ganhou lugar em cédula de votação, segundo os últimos números da campanha estadual.

No Oregon, onde um referendo foi habilitado em julho, a campanha da legalização relatou menos de US$ 1 mil em contribuições.

Leia mais: Nos EUA, imóveis desapropriados são usados para cultivo de maconha

Relembre: Detido por maconha, jovem passa quatro dias esquecido em cela

Os três Estados levarão a medida para as urnas em novembro, no mesmo mês em que os norte-americanos votam para presidente e outros cargos.

Os partidários da legalização em Washington e no Colorado já compraram anúncios na televisão na tentativa de convencer os eleitores, principalmente os que nunca fumaram maconha, dos méritos de legalizar e taxar a droga.

Leia também: Agentes americanos ocupam 'universidade da maconha'

Saiba mais: Califórnia rejeita legalização da maconha

A legalização da droga para fins recreativos entraria em conflito com o governo federal, que diz que a marijuana é um perigoso narcótico.

Os referendos nos três Estados, entre os 17 que já permitem o uso da maconha para fins médicos, acontecem quando alguns governos estaduais enfrentam o governo federal sobre suas incursões nas farmácias que vendem maconha medicinal.

Leia também: Maconha agora une famílias nos Estados Unidos

"Se alguma dessas iniciativas vencer, será realmente um progresso", disse Ethan Nadelmann, diretor-executivo da Aliança da Política da Droga, que busca alternativas à atual política norte-americana de combate ao uso de drogas.

"E, no final, assim como há um conflito entre Estado e governo federal envolvendo a maconha medicinal, antecipamos que haverá conflitos similares quando os Estados começarem a legalizar a maconha como fazem com o álcool", disse ele. "Mas achamos que a única maneira de haver mudança é através deste processo."

Uma pesquisa feita em julho pela Survey USA com 630 eleitores registrados no Estado de Washington mostrou que 55 % apoiavam a legalização da maconha. A margem de erro era de quatro pontos percentuais.

A Rasmussen Reports disse que sua pesquisa feita em junho com prováveis eleitores do Colorado mostrou que 61 % apoiavam a legalização e a regulamentação da maconha. A pesquisa foi feita com 500 pessoas, com margem de erro de 4,5 pontos percentuais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.