Ataque reúne moradores e turistas na região do Empire State, em Nova York

Multidão acompanhou trabalho da polícia na região da rua 34 com a Quinta Avenida, onde homem assassinou ex-colega de trabalho, antes de ser morto pela polícia

Carolina Cimenti - Nova York |

O ataque desta sexta-feira em frente ao Empire State , em Nova York, que deixou dois mortos, reuniu uma multidão de curiosos no encontro da rua 34 com a Quinta Avenida. Munidos de câmera fotográficas e telefones celulares, muitos turistas e moradores da cidade tiravam fotos no local.

Leia também: Homem mata ex-colega de trabalho frente ao Empire State

No momento em que os tiros foram disparados, o clima era de tensão. O segurança do prédio exatamente em frente ao Empire State, que pediu para ser identificado apenas como Eddie, disse ter fechado todas as saídas e suspendido o funcionamento dos elevadores após ouvir os disparos.

"Até a polícia liberar o tráfego de pedestres, ninguém entra, ninguém sai", afirmou. "Eu estava aqui nos ataques de 11 de Setembro, então conheço todos os procedimentos de emergência. A primeira coisa a fazer é avisar todas as pessoas que trabalham aqui, para que não saiam."

Os funcionários puderam deixar o prédio cerca de uma hora depois, mas pela porta dos fundos, na rua 35, e não na principal, que fica na 34, a mesma do Empire State. Para Eddie, a facilidade para obter armamentos está por trás dos ataques. "Tem arma demais nessa cidade, esse é o problema", afirmou. "Muitas delas estão nas mãos de loucos como esse, que veio até aqui fazer estragos."

O egípcio Mahmoud Alsaid, 27 anos, dono de um carrinho de comida na região do Empire State, sentido medo ao ouvir os tiros. "Em sete anos aqui, nunca vi nada desse tipo acontecer", afirmou o vendedor, que foi filmar a cena com seu telefone celular e disse ter visto o corpo do atirador no chão.

Ele não pretende, porém, mudar de ponto. "Há polícia 24 horas no Empire State. Não levou nem três minutos para eles pararem o assassino", disse. "É muito seguro aqui."

A vendedora Josephine Smith estava chegando para trabalhar quando ouviu os tiros, por volta das 9h no horário local (10h de Brasília). Ela correu para dentro da loja de sapatos onde trabalha e só saiu dali quando a loja reabriu, às 12h. "Fiquei com medo. Ouvimos rumores de que uma vendedora da loja ao lado havia sido baleada, mas não era verdade", afirmou.

Cinegrafista amador registra imagens logo após ataque em NY:

Três franceses foram os últimos turistas a entrar no Empire State, pouco depois de os tiros serem disparados. O grupo, que viaja pelos Estados Unidos há três semanas e embarca para a França daqui a quatro dias, saiu do metrô e viu corpos com sangue no chão, além de tumulto e grande número de policiais. Mesmo assim, entraram no Empire State, pouco antes de ele ser fechado.

Do observatório, acompanharam a movimentação. " Não vai ser uma boa recordação da viagem ", afirmou Gregoir Meresse. "É chocante. Essa coisas podem acontecer em uma das cidades mais populosas do mundo, mas é chocante", acrescentou Arnaud Mars.

Leia também: 'Não será boa recordação', diz último turista a entrar no Empire State

Os turistas suecos Tommie Korpi e Robert Sumdberg, ambos de 22 anos, visitaram o Empire State na quinta-feira, mas voltaram à região do prédio nesta sexta para ver a cena do crime e acompanhar o trabalho da policia. "Parece um filme", disse Korpi. "Soubemos o que aconteceu pela TV e viemos dar uma olhada", exiplicou o estudante.

Os suecos dizem ter se sentido seguros durante a viagem de uma semana a Nova York. "Essas coisas podem acontecer em qualquer lugar", disse Robert. "Não estou com medo."

O ataque

O ataque aconteceu por volta das 9h no horário local (10h de Brasília). De acordo com autoridades, o atirador é Jeffrey Johnson, 53 anos, que foi demitido da loja na qual trabalhava, a Hazan Imports, próxima ao Empire State. Com três tiros a queima-roupa, ele matou o ex-colega Steve Ercolino, de 41 anos. 

Após deixar a loja, o atirador foi seguido por um homem que trabalha em uma obra próxima, testemunhou o que aconteceu e avisou a polícia. Segundo autoridades, Johnson então atirou nos policiais, que também dispararam e o mataram.

O Empire State é o segundo prédio mais alto de Nova York, ultrapassado apenas pelo novo World Trade Center, erguido no local dos ataques de 11 de Setembro de 2001 . Dos 103 andares, 102 estão abertos aos cerca de 4 milhões de visitantes que vão ao local anualmente e podem observar a cidade a partir de um observatório de 381 metros.


    Leia tudo sobre: euaempire statenova yorkatirador

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG