Suécia não extraditará Assange aos EUA se existir ameaça de pena de morte

Vice-diretora de assuntos penais diz que a Justiça americana não deu nenhum passo para solicitar formalmente a extradição do fundador do site WikiLeaks

EFE |

EFE

A Justiça sueca não extraditará o fundador do site WikiLeaks , Julian Assange , aos Estados Unidos se houver qualquer possibilidade de o ativista australiano ser condenado à pena de morte por revelar segredos de Estado.

"Nunca entregaremos uma pessoa que estiver ameaçada de pena de morte", afirma Cecilia Riddselius, vice-diretora de assuntos penais e cooperação internacional do Ministério da Justiça sueca em declarações ao diário alemão "Frankfurter Rundschau".

Leia também:  Assange rompe silêncio e pede que Obama pare com ‘caça às bruxas’

Antes de decidir sobre a possibilidade de Assange ser extraditado aos Estados Unidos, este país deveria garantir à Suécia que o prisioneiro não seria executado em nenhum caso, avalia a alta funcionária da Justiça sueca.

Além disso, Riddselius ressalta que a Justiça americana até agora não deu nenhum passo junto à Suécia para solicitar formalmente a extradição de Assange, assim como também não o fez perante as autoridades britânicas.

Assange é reclamado pela Justiça da Suécia devido às denúncias de duas mulheres por supostas agressões sexuais, as quais ele negou reiteradamente.

O fundador do site WikiLeaks, de 41 anos, está abrigado na embaixada equatoriana em Londres desde 19 de junho, quando pediu proteção ao presidente Rafael Correa, cujo Governo finalmente lhe concedeu asilo na quinta-feira passada.

    Leia tudo sobre: julian assangewikileakssuéciaeuaextradição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG