Assange rompe silêncio e pede que Obama pare com ‘caça às bruxas’

Fundador do WikiLeaks fez primeiro pronunciamento da sacada da Embaixada do Equador, onde está há dois meses na tentativa de escapar de um pedido de extradição para a Suécia

iG São Paulo | - Atualizada às

O fundador do site WikiLeaks , Julian Assange , rompeu o silêncio neste domingo e fez um pronunciamento da sacada da Embaixada do Equador , em Londres, onde está há dois meses na tentativa de escapar de um pedido de extradição para a Suécia, sob a acusação de abuso sexual em 2010, crime que nega. Assange pediu ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que renuncie à ‘caça às bruxas’ contra o Wikileas no país, por ter revelado documentos secretos da diplomacia americana.

Advogado:  Assange quer garantias da Suécia para deixar Embaixada do Equador

Leia mais: Assange pode ser preso mesmo se o Equador lhe conceder asilo

AP
Assange, fundador do WikiLeaks, faz 1ª pronunciamento da sacada da Embaixada do Equador em Londres

Ele também pediu que Obama liberte o soldado Bradley Manning, suspeito de ter vazado informações confidenciais para o site sobre a guerra no Iraque e Afeganistão, assim como despachos diplomáticos do Departamento de Estado entre novembro de 2009 e maio de 2010, quando estava mobilizado no Iraque. O soldado de 24 anos está preso há mais de 800 dias por conta das acusações. Para o WikiLeaks, Manning é um prisioneiro político.

Saiba mais: Mãe diz que fundador do WikiLeaks 'não vê a luz do dia'

O fundador do Wikileaks agradeceu o apoio de vários países latino-americanos, inclusive o Brasil, mas citou principalmente o Equador, que, na última quinta-feira, aprovou o pedido de asilo do australiano sob a alegação de que ele pode ser vítima de perseguição política. Mas Assange vive agora um impasse porque a Inglaterra não deu salvo-conduto para sua saída rumo ao Equador. Assim, ele pode ser detido pela polícia britânica assim que deixar a embaixada equatoriana, antes de chegar ao aeroporto.

Assange: Saiba como o governo do Equador poderia se beneficiar do asilo

Decisão: Equador concede asilo político ao fundador do WikiLeaks

AP
Fundador do WikiLeaks conversa com o seu advogado, Balthazar Gárzon, na Embaixada do Equador neste domingo

Assange disse também que está sob ameaças e comparou seu caso à perseguição que sofrem as integrantes da banda Pussy Riot, em Moscou, condenadas a dois anos de prisão por protestar contra o presidente Vladimir Putin na catedral da capital russa.

Equador: 'Com quem pensam que estão lidando?', diz Corrêa sobre Inglaterra

Mais cedo, Baltasar Garzón, advogado de Assange , disse em frente à embaixada que o criador do site WikiLeaks está "disposto a responder pelas acusações" que enfrenta na Suécia, mas quer "garantias" de que não será extraditado. "(Assange) quer garantias mínimas das autoridades suecas, que não foram outorgadas", afirmou Garzón, jurista espanhol famoso por ter, quando desempenhava o papel de juiz em seu país, ordenado a prisão do ex-líder chileno Augusto Pinochet. Ele também afirmou que o criador do WikiLeaks está "com espírito combativo" e "agradecido" ao povo equatoriano.

Com agências internacionais

    Leia tudo sobre: julian assangewikileaksequadorlondres

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG