Brasileiros acusados de homicídio são queimados vivos na Bolívia

Dupla foi acusada de matar três bolivianos em San Matías. Grupo de manifestantes invadiu prisão e ateou fogo contra brasileiros

EFE |

EFE

Um grupo de homens queimou vivos dois brasileiros nesta terça-feira após tirá-los de uma cela policial no povoado de San Matías, situado na fronteira da Bolívia com o Brasil, onde os agentes os detiveram sob a acusação de terem assassinado três bolivianos.

Leia também:  Rapper brasileiro é acusado de estuprar duas mulheres na Grã-Bretanha

Depois de ser divulgada a notícia da captura dos supostos autores do triplo homicídio ocorrido na segunda-feira, centenas de pessoas se manifestaram nas ruas de San Matías para exigir vingança e conseguiram invadir a delegacia.

O grupo ocupou a delegacia durante a noite desta terça-feira, desalojou os detidos, os encharcou com gasolina e ateou fogo, indicou a rede de televisão "Un", ao mostrar os corpos queimados.

Pouco antes, o chefe policial de San Matías, Edwin Rojas, declarara que um dos brasileiros detidos era Rafael Max Diez, de 27 anos, acusado de ser o autor do assassinato dos bolivianos, e o outro era Jefferson Castro de Lima, de 22, seu suposto cúmplice.

Rojas explicou que, segundo as primeiras investigações, Rafael disparou contra os bolivianos Pablo Parava, Wanderley Costa e Edgar Suárez após uma discussão sobre o preço de duas motocicletas que os brasileiros tentavam vender. 

    Leia tudo sobre: bolíviabrasileiros no exterior

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG