Presidente do Egito demite chefe de inteligência após ataque no Sinai

Além de nomear interino para serviços de inteligência, Morsi tirou do posto governador da província do Sinai do Norte e pediu novo nome para chefiar Polícia Militar

iG São Paulo | - Atualizada às

O presidente egípcio, Mohammed Morsi, decidiu tirar do posto o chefe dos serviços de inteligência do país e o governador da província do Sinai do Norte, depois do ataque que matou 16 oficiais no fim de semana.

Pós-ataque:  Forças do Egito bombardeiam Sinai em operação contra militantes 

AP
Exército egípcio carrega caixões de 16 soldados mortos em ataque no Sinai no fim de semana (7/8)

As mudanças ocorrem horas depois de militares egípcios lançarem uma ofensiva na região contra militantes islamitas suspeitos. A aviação egípcia bombardeou nesta quarta-feira alvos próximos à fronteira com Israel, enquanto soldados invadiram aldeias atrás de militantes. Há relatos não confirmados oficialmente de que os ataques deixaram 20 mortos.

O presidente egípcio nomeou Mohamed Raafat Abdel-Wahed como chefe interino dos serviços de inteligência. Além disso, Morsi ordenou que o ministro da Defesa, Hussein Tantawi, encontre um novo chefe para a Polícia Militar.

O ataque de domingo foi o mais mortal contra tropas egípcias na região do Sinai em décadas, e Morsi recebeu críticas por não ter tomado ações à altura como resposta.

A ofensiva desta quarta-feira é a primeira vez que o Egito bombardeia o Sinai desde 1973, quando travou uma guerra com Israel pelo controle da região. Um acordo de paz assinado em 1979 limita a presença dos egípcios na península.

Os confrontos na desértica região fronteiriça aumentaram desde a revolução que derrubou o presidente egípcio Hosni Mubarak , em fevereiro de 2011.

*Com AFP e BBC

    Leia tudo sobre: egitoisraelsinaimorsisoldadosofensivamilitantes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG