Yulia Tymoshenko, que está presa há mais de um ano, planejava concorrer como líder da chapa de oposição à disputa parlamentar de outubro

EFE

A Comissão Eleitoral Central da Ucrânia (CEC) rejeitou nesta quarta-feira a candidatura da ex-primeira-ministra do país Yulia Tymoshenko , como líder de chapa da oposição no pleito parlamentar de outubro.

EUA:  Departamento de Estado visita ex-premiê ucraniana no hospital

Eugenia , filha da ex-premiê Yulia Tymoshenko, deixa prédio do governo em Luxemburgo após reunião com autoridades locais
AFP
Eugenia , filha da ex-premiê Yulia Tymoshenko, deixa prédio do governo em Luxemburgo após reunião com autoridades locais

A vice-presidente da Comissão Eleitoral, Zhanna Usenko-Chornaya, explicou que nas solicitações de registro apresentadas por Tymoshenko e o também processado Yuri Lutsenko, ex-ministro do Interior, é mencionado que os dois têm "antecedentes penais politicamente motivados".

"Os membros da Comissão Eleitoral não têm direito de avaliar as decisões judiciais. Nessas condições, a CEC não tem no dia de hoje motivos para o registro", afirmou a funcionária, citada pelas agências de notícia locais.

A Comissão Eleitoral justifica sua rejeição com o artigo 9 da legislação sobre escolha de deputados populares, a qual diz claramente que não podem se apresentar como candidatos os cidadãos que cometeram delitos e cujas penas não tenham expirado ou não tenham sido canceladas por via legal.

Tymoshenko, presa há mais de um ano e condenada em outubro de 2011 a sete anos de prisão por abuso de poder, havia sido designada no último dia 30 de julho como líder da chapa do partido opositor que lidera, o Batkivschina (Pátria, em ucraniano).

A oposição unificada ucraniana confiava no impulso eleitoral de Tymoshenko para derrotar o partido do atual presidente, Viktor Yanukovich.

A carismática política ucraniana, cuja liberdade é defendida por potências ocidentais, sofre de um grave problema nas costas e está se tratando em uma clínica da cidade de Kharkiv.

Tymoshenko, que acusa Yanukovich de orquestrar uma campanha de perseguição judicial à oposição, ainda tem de comparecer perante os tribunais por um segundo processo aberto contra si por suposto desvio de fundos públicos e evasão fiscal.

Foto de outubro de 2011 mostra Yulia Tymoshenko diante do juiz Rodion Kireyev lendo veredicto contra ela em Kiev
AFP
Foto de outubro de 2011 mostra Yulia Tymoshenko diante do juiz Rodion Kireyev lendo veredicto contra ela em Kiev


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.