Atirador e mais seis morrem em templo religioso nos EUA

Tiros são disparados em Oak Creek, no Estado de Wisconsin, semanas após ataque em cinema do Colorado chocar o país; para autoridades, caso é ato de 'terrorismo doméstico'

iG São Paulo | - Atualizada às

Pelo menos sete pessoas morreram neste domingo quando tiros foram disparados em um templo sikh na cidade de Oak Creek, no Estado americano de Wisconsin. Entre as vítimas, está o suspeito pelo ataque, que foi morto pela polícia.

Autoridades disseram que quatro pessoas foram encontradas mortas dentro do prédio e três - incluindo o suspeito - do lado de fora do templo, frequentado por adeptos do sikhismo, religião criada na Índia que combina hinduísmo e islã.

Ainda não há precisão no número de feridos, mas ao menos três pessoas estão em estado grave. Segundo informações da polícia local, o nome do atirador e suas características físicas não devem ser reveladas ainda neste domingo. O caso está sendo tratado como um "ato de terrorismo doméstico" pelas autoridades. 

Leia também: Saiba quais foram os ataques mais mortais dos últimos 20 anos nos EUA

AP
Homem reza em frente a templo sikh em Oak Creek, Wisconsin, onde tiros foram disparados

O suspeito atirou no primeiro policial que respondeu à ocorrência. O policial, que está internado mas deve sobreviver, atirou de volta e matou o homem, que não foi identificado.

A polícia de Oak Creek, uma cidade de 30 mil habitantes localizada ao sul de Milwaukee, foi chamada por volta das 10h30 no horário local (12h30 de Brasília). Pelo menos 12 ambulâncias prestaram socorro e a polícia fez um cordão de isolamento para impedir a aproximação de jornalistas e curiosos.

Um policial foi baleado diversas vezes, mas deve sobreviver, segundo Bradley Wentlandt, chefe da polícia de Greenfield. O policial afirmou também que os serviços de segurança do país estão tentando tornar a a área segura e novas informações serão dadas em breve.

Grupos de defesa dos direitos da comunidade sikh relataram um aumento no número de ataques desde os ataques do 11 de Setembro . De acordo com a Coalizão Sikh, que tem cede em Washington, mais de 700 incidentes foram registrados desde então.

De acordo com especialistas, o fato de adeptos do sikhismo usarem barbas longas e turbantes faz com que muitas vezes sejam confundidos com muçulmanos. A religião tem cerca de 27 milhões de fiéis em todo o mundo, a maioria na Índia. Cerca de 500 mil vivem nos Estados Unidos. 

Obama solidário com famílias

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi informado do tiroteio pouco depois da tragédia, anunciou uma fonte oficial da Casa Branca.  John Brennan, conselheiro de Obama para contraterrorismo, informou o presidente sobre o assunto. Ele continua recebendo informações atualizadas a respeito do episódio ocorrido nos subúrbios de Milwaukee, segundo a fonte.

Obama declarou estar "profundamente entristecido" com o episódio e afirmou que sua administração vai fornecer toda a ajuda necessária para reagir ao episódio e investigá-lo. "Nossos corações estão com as famílias e amigos daqueles que foram mortos e feridos", disse em comunicado divulgado pela Casa Branca.

O país ainda se recupera do choque causado por um ataque a um cinema que deixou 12 mortos em Aurora, no Colorado, em 20 de julho, durante a estreia do filme " Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge ".

James Holmes, 24 anos, responderá a 142 acusações pelo ataque - sendo 12 de assassinato em primeiro grau, 12 de assassinato com extrema indiferença e 116 de tentativa de assassinato.


Com AP, BBC e informações da CNN

    Leia tudo sobre: euasikhismoatiradorataque em oak creek

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG