Instalação é erguida no exato local em que o líder foi preso, em 5 de agosto de 1962, por sua luta contra o apartheid

A África do Sul inaugurou neste sábado o mais novo monumento de Nelson Mandela, localizado em uma estrada na qual o líder foi preso há 50 anos, por sua luta contra o regime de segregação racial conhecido como apartheid.

Mandela, que completou 94 anos em julho , foi preso no dia 5 de agosto de 1962, próximo à cidade de Howick, pouco depois de fundar o braço armado do Congresso Nacional Africano (CNA).

Leia também:  África do Sul comemora aniversário de 94 anos de Nelson Mandela

Monumento em homenagem ao ex-presidente sul-africano Nelson Mandela é inaugurado em Howick
AFP
Monumento em homenagem ao ex-presidente sul-africano Nelson Mandela é inaugurado em Howick


A instalação inaugurada neste sábado, feita com 50 barras de aço de entre 5 e 10 metros de altura, substitui um modesto monumento construído neste mesmo lugar em 1996.

"A parte frontal da escultura é um retrato de Mandela com barras verticais que representam sua prisão", disse o idealizador do monumento Marco Cianfanelli. "Quando alguém caminha ao longo da escultura, esta irradia um raio de luz, o que simboliza o levante político de muitas pessoas e a solidariedade", acrescentou.

Nas árvores que delimitam o caminho de 35 metros que conduz ao monumento, estão inscritas palavras como "negociador", "valente" "homem de Estado", "líder", "camarada preso" e "caráter".

O presidente sul-africano, Jacob Zuma, inaugurou a escultura em meio aos aplausos da multidão. "Devemos incentivar as novas gerações a visitar este lugar porque os que o visitarem se sentirão inspirados", disse Zuma.

Os 50 anos da prisão de Nelson Mandela "lembram o país do longo caminho que este percorreu", disse Verne Harris, do Centro da Memória de Nelson Mandela.

Mandela "vive agora na África do Sul democrática, enquanto há 50 anos teve que lutar pela liberdade. Apesar de ainda termos muitos desafios e a realidade de muitos sul-africanos continuar sendo difícil, já percorremos um longo caminho".

Com AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.