Auditoria mostra que EUA desperdiçaram bilhões no Iraque e Afeganistão

Segundo Center for Public Integrity, desde que invadiu Iraque em março de 2003, os EUA perderam em desperdício, fraude e abusos algo entre US$ 6 e 8 bilhões

EFE | - Atualizada às

EFE

O governo dos Estados Unidos desperdiçou centenas de milhões de dólares em programas no Iraque e no Afeganistão , segundo informaram nesta segunda-feira agências que fizeram auditorias dessas intervenções.

Invasão pós-11/9: Após dez anos da Guerra do Afeganistão, EUA buscam saída honrosa

Em relatório divulgado nesta segunda-feira, a Inspeção Geral para a Reconstrução do Iraque afirmou que os EUA desperdiçaram cerca de US$ 206 milhões na construção de edifícios para um programa, agora reduzido, de instrução policial no Iraque.

AP
Membros do Exército recebem na Califórnia restos de militar morto no Afeganistão

Em um programa que os auditores qualificaram como "inútil", o Departamento de Estado americano construiu edifícios para alojamento e capacitação no anexo do Colégio Policial de Bagdá a um custo de US$ 108 milhões. Outros US$ 98 milhões foram gastos na construção do consulado em Basra, para que pudesse ser usado também em instrução.

No entanto, o Departamento de Estado "decidiu encerrar o anexo (em Bagdá) pouco após iniciado o programa de instrução policial, devido aos custos de proteção", e o consulado em Basra não o utilizou porque o Ministério do Interior iraquiano cancelou a instrução no local.

Em entrevista ao grupo Center for Public Integrity, o inspetor geral Stuart Bowen calculou que desde que invadiu Iraque em março de 2003, os EUA gastaram cerca de US$ 51 bilhões em reconstrução, dos quais foram perdidos em desperdício, fraude e abusos algo entre US$ 6 e 8 bilhões.

Empregados

Em seu relatório trimestral ao Congresso, a Inspeção Geral informou que no fim de junho havia no Iraque 1.235 empregados civis do governo dos EUA e, no início de julho, ao menos 12.477 empregados de empreiteiras ou concessionários financiados pelos EUA.

O número de empregados civis do governo diminuiu 10% em relação ao trimestre anterior, e o contingente de empreiteiros e concessionários diminuiu 26%.

Por sua vez, a Inspeção Geral para a Reconstrução do Afeganistão apontou que, dois anos depois da liberação de US$ 400 milhões do Congresso para que o Pentágono e o Departamento de Estado financiassem sete projetos no país, invadido em 2001, os trabalhos ainda não haviam sido iniciados.

Cinco desses projetos, indicou o relatório, pretendiam aumentar o fornecimento de energia no sul do Afeganistão e deveriam ser concluídos em meados de 2012, quando estivesse acabando a missão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no país.

O Congresso dos EUA aprovou, ao longo de mais de uma década de intervenção, quase US$ 90 bilhões para a reconstrução do Afeganistão.

    Leia tudo sobre: afeganistãoiraqueeuaguerraarmasindústria bélica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG