China cancela projeto de duto após protesto violento

Manifestantes ocuparam edifício público de Qidong e entraram em choque com a polícia para mostrar oposição a projeto que previa lançar ao mar água de fábrica japonesa de papel

Reuters | - Atualizada às

Reuters

Autoridades chinesas cancelaram neste sábado um projeto de um duto de dejetos industriais depois que manifestantes antipoluição ocuparam um edifício público no leste da China, destruindo computadores e revirando carros.

Manifestação: China suspende construção de usina poluente após violentos protestos

AFP
Manifestantes batem em policial (C) durante protesto do lado de fora de escritório de governo de Qidong, na Província de Jiangsu, China

Mobilização: Voz de movimento ambientalista nascente encontra ressonância na China

O protesto foi o último de uma série de revoltas desencadeadas pelo temor de degradação ambiental, e é uma evidência das tensões sociais que o governo chinês enfrenta num ano em que haverá transição no poder.

Esse foi também o segundo cancelamento de um projeto industrial este mês como resultado da pressão de manifestantes.

O prefeito da cidade de Nantong, Zhang Guohua - cidade situada no leste da China -, disse em um comunicado que a prefeitura cancelaria o projeto do duto, cujo objetivo seria lançar no mar a água usada por uma fábrica japonesa de papel, perto da cidade de Qidong.

A decisão foi tomada horas depois de cerca de 1 mil manifestantes saírem pela ruas de Qidong, situada a cerca de uma hora ao norte de Xangai, gritando slogans contra o duto.

"O governo diz que os dejetos não poluirão o mar, mas, se isso fosse verdade, por que eles não os jogam no rio Yangtsé?", disse a manifestante Lu Shuai, de 25 anos, que trabalha com logística. "É que, se eles lançarem no rio, haverá impacto em Xangai e as pessoas de Xangai se oporão."

Vários manifestantes entraram no principal edifício governamental, onde danificaram computadores, reviraram mesas e jogaram documentos pelas janelas, enquanto a multidão do lado de fora gritava em apoio. A Reuters presenciou cinco carros e um micro-ônibus sendo revirados.

Pelo menos dois policiais foram arrastados pela multidão e espancados a ponto de ficarem sangrando.

As preocupações com o meio ambiente têm desencadeado reivindicações de mais direitos para os cidadãos e mais consultas por parte das autoridades da China, país fortemente controlado pelo Partido Comunista, o único legal.

AFP
Manifestantes e polícia se reúnem do lado de fora de escritório de governo de Qidong, na Província de Jiangsu, China

A demonstração pública de revolta é uma amostra do crescente descontentamento enfrentado pelos líderes chineses, que têm como obsessão a manutenção da estabilidade e o esforço para equilibrar o crescimento em meio à crescente insatisfação da população com os danos ao meio ambiente.

    Leia tudo sobre: chinaprotestospoluição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG