Minhas filhas poderiam estar nesse cinema, diz Obama sobre ataque

Em tom pessoal, presidente americano condena atentado que matou 12 no Colorado; democratas e republicanos suspendem campanha por causa da tragédia

iG São Paulo | - Atualizada às

Em discurso marcado por forte tom pessoal, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condenou nesta sexta-feira o ataque que deixou 12 mortos em um cinema de Aurora, no Colorado. O presidente, que tenta a reeleição em novembro, e seu rival republicano, Mitt Romney , suspenderam os eventos de campanha por causa da tragédia que chocou o país e aconteceu durante a estreia do filme " Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge ".

“Minhas filhas vão ao cinema”, disse Obama durante discurso em Fort Myers, na Flórida. “E se Malia e Sasha estivessem no cinema, como tantas crianças fazem todos os dias? Michelle e eu temos sorte porque vamos abraçar nossas meninas mais tarde.”

Leia também: Atirador deixa ao menos 12 mortos na estreia do 'Batman' nos EUA

AP
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, faz uma pausa durante discurso em Fort Myers, na Flórida, sobre ataque em Aurora, no Colorado

O presidente disse que o ataque estava além dos limites da razão, mas acrescentou que a tragédia deve servir para lembrar a nação sobre a fragilidade da vida. “As pessoas que morreram em Aurora amavam e eram amadas. Eram mães, pais, maridos, mulheres, irmãos, irmãs, filhos e filhas, amigos e vizinhos. Eles tinham esperanças para o futuro e sonhos que ainda não tinham realizado’, disse Obama. “A vida é muito frágil. Nosso tempo aqui é limitado, precioso, e no fim o que importa não são as pequenas coisas, não são as coisas triviais que tantas vezes nos consomem. O que importa é como escolhemos tratar o outro e como amamos uns aos outros.”

Obama foi informado sobre o ataque logo após acordar e telefonou para o prefeito de Aurora e o governador do Colorado para expressar apoio e oferecer ajuda. “O governo federal está pronto para fazer o que for necessário para fazer com que o responsável por esse crime encare a Justiça”, afirmou o presidente, depois, durante o discurso para partidários.

O presidente estava na Flórida para uma viagem de campanha de dois dias, mas abandonou o discurso previamente preparado para o evento, além de cancelar a próxima parada, Orlando, para antecipar a volta a Washington. “Teremos outros dias para a política", justificou. "Acho que o dia de hoje deve ser de orações e reflexões.”

A campanha de Obama pediu que seus aliados deixem de veicular anúncios negativos no Colorado. O vice-presidente dos EUA, Joe Biden, e a primeira-dama, Michelle Obama, também cancelaram todos os eventos dos quais participariam nesta sexta-feira.

Romney emitiu um comunicado no qual condenou o ataque, que chamou de “violência sem sentido”. “Estamos rezando para as famílias e as pessoas próximas às vítimas neste momento de choque profundo e luto imenso”, disse o texto.

Mais tarde, Romney se pronunciou sobre o ataque durante um discurso para partidários em Bow, no Estado de Nova Hampshire. "Nesta manhã, Colorado perdeu vozes jovens", afirmou, expressando solidariedade aos familiares e amigos das vítimas. "Agora e nos dias difíceis que virão, que eles possam sentir a compaixão de toda a nação e o conforto de Deus."

Ele pediu que os americanos se concentrem em amar uns aos outros. "Haverá justiça para os responsáveis, mas isso é uma questão para outro dia. Hoje é dia de lamentar e lembrar, de oferecer ajuda, de apreciar as bençãos da vida", afirmou. "Cada um de nós abraçará seu filho por um pouco mais de tempo, ficar com amigos e vizinhos um pouco mais, conversar com um parente. Vamos todos pensar um pouco menos nas preocupações diárias e um pouco mais em como ajudar os que precisam. Podemos nos unir e mostrar o bom coração da América que nós conhecemos e amamos."

Os demais eventos de campanha dele e da mulher, Ann, foram cancelados, e os anúncios negativos foram retirados de circulação no Colorado.

AP
O candidato republicano à presidência dos EUA, Mitt Romney, deixa palco em Bow, Nova Hampshire, após discurso sobre tragédia em Aurora, Colorado

Esse foi o pior ataque nos EUA desde que um psiquiatra do Exército matou 13 soldados e civis na base militar de Fort Hood , no Texas, em 2009. Entre os feridos estão algumas crianças, sendo a mais jovem um bebê de quatro meses que já recebeu alta. Aurora fica a cerca de 15 km do centro de Denver e a apenas 32 km do local do massacre de 1999 na escola de Columbine , que matou 12 alunos, um professor e deixou 24 feridos.

O suspeito pelo massacre em Aurora foi detido, anunciou a polícia, e identificado como  James Holmes , de 24 anos. Segundo um agente federal, ele nasceu no Estado do Tennessee em 13 de dezembro de 1987 e é morador de Aurora, a terceira cidade mais populosa do Colorado. Ele era estudante da Escola de Medicina da Universidade do Colorado em Denver até o mês passado, quando largou o curso.

Oates afirmou que o suspeito alegou ter explosivos em sua casa. Durante a investigação no local, a polícia e agentes do FBI descobriram que o apartamento estava com armadilhas, tendo sido encontrados no local explosivos aparentemente "muito sofisticados". As autoridades esvaziaram cinco prédios enquanto verificam como desarmarão o material inflamável e explosivo. Segundo a Reuters, os trabalhos no local podem durar "horas ou dias".

Com AP, BBC e informações do New York Times

    Leia tudo sobre: ataque em auroraeuaobamaeleição nos euacoloradoauroraromney

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG