EUA reforçam sanções para conter programas nuclear e de mísseis do Irã

Punições atingem 50 entidades, incluindo 11 companhias afiliadas ao Ministério da Defesa do Irã, à Guarda Revolucionária, à universidade e às linhas de navegação nacionais

iG São Paulo |

O governo do presidente dos EUA, Barack Obama, aplicou nesta quinta-feira mais sanções contra o Irã com o objetivo de prejudicar seus programas nuclear e de mísseis balísticos. A medida anunciada pelo Departamento do Tesouro atinge 50 entidades acusadas de colaborar com os programas ou de ajudar a burlar outras punições já impostas contra Teerã.

Estratégia: Irã camufla navios petroleiros para burlar embargo da UE

AP
Foto de 15/4/2008 mostra parte do campo de petróleo iraniano de Azadegan, no sudoeste de Teerã

Embargo: Ahmadinejad reconhece que sanções ao país são as mais duras já impostas

Entre as 50 estão 11 companhias afiliadas ao Ministério da Defesa do Irã, à Guarda Revolucionária, à universidade e às linhas de navegação nacionais. Várias das firmas já estão submetidas a sanções americanas e europeias. O Tesouro também impôs penas contra quatro homens, incluindo um austríaco e três iranianaos, por atividade similar.

A lista do Tesouro inclui bancos, barqueiras, intermediários comerciais e companhias estatais iranianas no setor do petróleo ou financeiro. As sanções congelam quaisquer bens que as firmas e indivíduos possam ter em juridições dos EUA e impedem americanos de fazer negócios com eles.

"Essas ações são parte da estratégia de via dupla do governo americano para aumentar a pressão e convencer o Irã a levar com seriedade as preocupações da comunidade internacional sobre seu programa nuclear", indicou em comunicado o Departamento do Tesouro.

"O Irã está atualmente sob a intensa pressão das sanções multilaterais. Continuaremos aumentando a pressão sobre o Irã enquanto rejeitar responder às preocupações fundamentadas sobre seu programa nuclear", indicou David S. Cohen, secretário adjunto do Tesouro americano para terrorismo e inteligência financeira.

Além disso, o Tesouro identificou 39 companhias que operam em favor do governo iraniano e das entidades sob sanções, incluindo várias firmas de energia baseadas em Hong Kong, Suíça e Malásia. As identificações indicam que agora elas serão submetidas às sanções existentes aplicadas a suas organizações afiliadas.

Retaliação: EUA elogiam embargo da UE a petróleo iraniano e pressionam Teerã

As identificações "destacam as tentativas do Irã de escapar das sanções por meio do uso de companhias laranjas, assim como suas tentativas de camuflar sua frota de navios cargueiros os repintando, mudando sua bandeira ou desabilitando seus aparelhos de GPS", disse o Tesouro em um comunicado.

Os EUA e a União Europeia estabeleceram um embargo comercial às importações de petróleo iraniano, o que provocou uma importante queda nas exportações deste produto que representa dois terços da receita do país islâmico.

Washington mantém sanções contra o Irã desde 2005 - e as vem intensificando desde então - para inibir a República Islâmica a continuar com seu programa nuclear, acusado pelo Ocidente de ter fins bélicos, o que é negado por Teerã.

*Com AP, EFE e AFP

    Leia tudo sobre: euairãprograma nuclearsanções

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG