Partido do premiê Xanana Gusmão ganha eleições do Timor-Leste

Resultados provisórios apontam vitória do Conselho Nacional para a Reconstrução do Timor-Leste (CNRT) com 36,66% dos votos

EFE | - Atualizada às

EFE

O Conselho Nacional para a Reconstrução do Timor-Leste (CNRT) do primeiro-ministro Xanana Gusmão ganhou as eleições legislativas do Timor-Leste realizadas neste sábado, segundo os resultados provisórios anunciados neste domingo após o término da apuração.

Leia também: Timor Leste realiza eleições parlamentares

O CNRT foi a legenda mais votada com 172.831 cédulas (36,66%), disse o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) do país. Com este apoio o partido de Gusmão obteria 30 deputados que lhe dariam maioria simples no novo Parlamento de 65 cadeiras e lhe obrigaria a reeditar os pactos com os quais governou desde 2007.

AFP
Ex-premiê Xanana Gusmão vota para eleição parlamentar (7/7)

A Frente de Timor-Leste Independente (Fretilin), de Mari Alkatiri, vencedor há cinco anos, ficou em segundo lugar com 147.786 votos (29,87%) que lhe dariam 25 cadeiras. O Partido Democrata, do atual presidente do Parlamento, Fernando La Sama de Araújo e integrante da coalizão governante, desponta de novo como o partido-chave para formar Governo, após obter 48.581 votos (10,39%) e oito deputados.

As duas cadeiras restantes foram para a Frente para a Mudança, a nova legenda do atual vice-primeiro-ministro, José Luis Guterres, que conseguiu 14.648 votos (3,11%). Nenhum dos outros 17 partidos que concorriam às eleições, incluindo outros quatro que estiveram no Parlamento da legislatura anterior, conseguiu representação ao não superar o mínimo de 3% de votos que a lei eleitoral timorense exige.

No total, dos 645.624 eleitores registrados exerceram seu direito a voto 482.792 que deixaram a abstenção em 25,22%, acrescentou o STAE. Prevê-se que nos próximos dias a comissão eleitoral anuncie os resultados definitivos das eleições, que segundo a Missão Integrada das Nações Unidas para o Timor-Leste (Unmit) se desenvolveram de forma pacífica.

"Não houve incidentes, só um ou outro pequeno problema técnico e logístico. Em geral foi tudo muito bem e estamos muito satisfeitos", disse à Agência Efe por telefone Carlos Araújo, do escritório de comunicação da Unmit. A Unmit, que dispõe de um contingente de 1.300 soldados, deve pôr fim a seu mandato e se retirar no final deste ano, se após estas eleições o país continuar no caminho da estabilidade.

A ONU colaborou na transição à independência da antiga colônia portuguesa e saiu em 2005, mas retornou um ano depois para ajudar as autoridades a restabelecer a ordem, porque o país se encaminhava rumo a uma guerra civil, devido às lutas internas pelo poder. "Seja qual for o resultado final, as elites políticas do Timor, que frequentemente se enfrentam, deverão buscar pontos de encontro depois das eleições.

Com a segunda saída da ONU, outra crise como a de 2006 não pode ser contemplada por nenhuma das partes", disse Micahel Leach, especialista no Timor-Leste da universidade Swinburne, à imprensa australiana. Estas eleições legislativas aconteceram três meses depois que o ex-guerrilheiro e ex-chefe das forças armadas, José María Vasconcelos, foi eleito Presidente do Timor-Leste, em substituição ao histórico político e nobel da paz, José Ramos Horta.

O Timor-Leste comemorou o décimo aniversário de sua independência no dia 20 de maio com 41% da população abaixo da linha da pobreza e com níveis alarmantes do desemprego entre a juventude, segundo dados das agências da ONU. Embora o Timor-Leste tenha nascido como uma das nações mais pobres do mundo, a economia cresce a um ritmo de dois dígitos e o Estado administra os benefícios da exploração das ricas reservas de petróleo e gás no mar do Timor.

A antiga colônia portuguesa do Timor-Leste, que foi ocupada pela Indonésia durante cerca de um quarto de século, declarou formalmente a independência no dia 20 de maio de 2002.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG