Vinte estudantes foram presos na sexta-feira, véspera da data que marca a onda de repressão de 1962

Vinte líderes estudiantis detidos na sexta-feira em Mianmar, véspera da data que marca a onda repressiva de 1962, foram libertados neste sábado.

Ícone da democracia: Suu Kyi recebe o título de cidadã honorária de Paris

A informação foi confirmada por Zaw Min, um dos líderes da Geração 88, organização estudantil que liderou um movimento de oposição ao regime militar no país e foi fortemente reprimida.

Min Ko Naing, líder da Geração 88, discursa em Yangon, Mianmar
AP
Min Ko Naing, líder da Geração 88, discursa em Yangon, Mianmar

A lei estipula que os estudantes não podem permanecer presos sem o mandato de um juiz por mais de 24 horas.

A onda de prisões de sexta-feira é a mais importante desde a dissolução da junta militar, em março de 2011.

Apesar das detenções, cerca de 300 ativistas se reuniram, neste sábado, em Yangon para marcar a data. Segundo eles, as detenções provam que os militares birmaneses ainda mantêm tendências repressivas, apesar das recentes reformas

O 7 de julho deste ano marca o 50º aniversário da dura repressão contra uma manifestação estudantil contrária ao regime do general Ne Win, que governou o país com mãos de ferro por quase cinco décadas. 

A repressão deixou dezenas de mortos e, no dia seguinte, a junta militar dinamitou o prédio da união estudantil.

*Com AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.