Peña Nieto foi o vencedor da eleição no México, confirma recontagem de votos

Segundo apuração oficial, candidato do PRI obteve 38,21% dos votos, enquanto o esquerdista López Obrador conquistou 31,59%

iG São Paulo | - Atualizada às

O candidato do Partido Revolucionário Institucional (PRI), Enrique Peña Nieto , foi o vencedor das eleições presidenciais mexicanas com 38,21% dos votos, segundo a apuração oficial das atas das zonas eleitorais do país.

Governista: Josefina Vázquez denuncia falta de transparência nas eleições

De acordo com os dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Federal Eleitoral (IFE), o candidato da esquerda, Andrés Manuel López Obrador , ficou com 31,59%, seguido por Josefina Vázquez Mota , do Partido Ação Nacional (PAN), com 25,41%.

AP
Autoridades eleitorais e representantes partidários fazem recontagem de votos na Cidade do México (5/7)

Em último lugar ficou Gabriel Quadri, do Partido Nova Aliança (Panal), com 2,29%, segundo a contagem iniciada nesta quarta-feira nos 300 distritos eleitorais do país.

O resultado do cômputo de 100% das atas eleitorais, que inicialmente seria anunciado na quinta-feira, atrasou até a manhã de sexta-feira diante da necessidade de recontagem dos votos de 54,5% das urnas . Na quarta-feira, o secretário-executivo do IFE, Edmundo Jacobo, anunciou a recontagem após terem sido encontradas inconsistências nas contagens. "Trata-se do exercício de maior abertura, transparência e máxima publicidade na história eleitoral do país", afirmou o secretário-executivo.

Legislação

A lei eleitoral dos Estados do México especifica que os votos devem ser recontados se houver inconsistências nos relatórios finais, quando os resultados mostrarem uma diferença de um ponto porcentual ou menos entre os dois primeiros colocados ou se todos os votos de uma urna estiverem a favor de um dos candidatos.

Eleição presidencial: México recontará mais da metade dos votos

O governista PAN anunciou que respeitará os resultados das eleições, embora tenha denunciado irregularidades no processo. Na quinta-feira, Josefina Vázquez Mota, que se lançou como candidata governista à presidência, afirmou que houve circunstâncias de falta de transparência "que tiveram um efeito determinante" no desfecho das eleições.

Já a esquerda de Obrador confirmou sua intenção de impugnar as eleições em função de supostas fraudes. Antes da recontagem, o chefe de campanha eleitoral de Obrador, Ricardo Monreal, havia dito que foram detectadas inconsistências em 113.855 mesas eleitorais , das 143.132 que foram instaladas.

Segundo o representante da esquerda no IFE, Camerino Márquez, a impugnação das eleições será pedida em 12 de julho, quando termina o prazo legal de quatro dias para a apresentação após a notificação oficial do resultado das eleições.

A opção que a esquerda certamente utilizará é o argumento de que o PRI gastou acima do legalmente permitido (cerca de US$ 30 milhões por partido) e que parte deste dinheiro foi utilizado para a compra de votos.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: méxicopeña nietoobradorprirecontagemvotoseleição no méxico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG