Chávez diz que não tem mais exames e tratamentos previstos contra o câncer

Presidente venezuelano, que aos poucos retoma atividade política, anunciou que sua campanha à reeleição começará oficialmente em 1º de julho

iG São Paulo |

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse na noite de terça-feira que não tem mais tratamentos previstos "nesse momento" contra o câncer que enfrenta há um ano, após “resultados positivos” que disse ter recebido dos exames realizados depois da última sessão de radioterapia.

Saiba mais: Veja o especial iG sobre Venezuela

"Eu já fiz o que tinha de fazer", disse Chávez, que está perto de completar 58 anos, após receber seu colega da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, no palácio presidencial.

AP
Chávez e o presidente bielo-russo, Alexander Lukashenko, no Palácio Miraflores, em Caracas (26/6)

"Neste momento, no horizonte que vejo e que penso, não tenho previsto nada disso (exames e tratamentos). O que eu tenho previsto é batalhar e triunfar", acrescentou o presidente, que busca em outubro a reeleição.

Aliado: Chávez diz que Venezuela constrói aviões não tripulados com ajuda do Irã

A pouco mais de três meses para as eleições presidenciais, em que Chávez enfrentará o candidato único de oposição Henrique Capriles, o presidente lidera a maioria das pesquisas de intenção de voto.

No entanto, analistas políticos afirmam que Chávez pode ser prejudicado na campanha se não conseguir fazer campanha nas ruas durante a recuperação do tratamento contra o câncer, enquanto Capriles passa uma imagem de juventude e energia em sua campanha pelo país.

Desde o diagnóstico de um tumor do tamanho de uma bola de beisebol há um ano, Chávez se submeteu a três cirurgias e a tratamentos de quimio e radioterapia para combater a doença.

O presidente, cujo estado de saúde é tratado como segredo de Estado , declarou-se livre da doença em outubro do ano passado, mas teve uma recaída no início de 2012 que o levou de volta a Cuba para um novo tratamento.

Campanha

Após encerrar a radioterapia, Chávez retoma aos poucos a atividade pública. O mandatário venezuelano afirmou que iniciará oficialmente sua campanha no próximo dia 1º. "Nossa campanha não começou. De todas as campanhas de que participei para a presidência, esta é a que começamos com melhores condições", disse Chávez em uma coletiva de imprensa no Palácio de Miraflores, em Caracas.

Na terça-feira, Chávez se reuniu com o presidente bielo-russo, Aleksander Lukashenko, que demonstrou apoio à reeleição do venezuelano. Os dois firmaram 20 acordos de cooperação nas áreas de mineração, petróleo, tecnologia, alimentação e comunicação. "Estou certo de que, dentro de cinco anos, nos encontraremos nessa sala e falaremos de projetos maiores que tornaremos realidade. Apesar de nossos inimigos e desafetos, ninguém pode nos deter", disse Lukashenko.

13 anos no poder: Política econômica chavista mina produção e afasta investimentos

O mandatário venezuelano também demonstrou intenção de estreitar as relações com o México, que no próximo domingo vai às urnas nas eleições presidencial e legislativa.

"Desejo o melhor para o México e para o presidente que for eleito. Nós estamos dispostos a melhorar as relações com o México", disse Chávez.

*Com Reuters e Ansa

    Leia tudo sobre: chávezvenezuelaeleição na venezuelacaprilescâncercubabielo-rússia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG