William Lynn é culpado de encobrir abusos sexuais de menores de idade praticados por sacerdotes de sua arquidiocese

EFE

Um tribunal da Filadélfia, nos Estados Unidos, declarou nesta sexta-feira que o monsenhor William Lynn é culpado de encobrir abusos sexuais de menores de idade praticados por sacerdotes de sua arquidiocese.

Justiça: Igreja Católica pressiona judicialmente grupo de vítimas de abuso sexual

William Lynn antes de Corte anunciar setença de condenação na Filadélfia
AP
William Lynn antes de Corte anunciar setença de condenação na Filadélfia

Trata-se da primeira sentença dests tipo nos EUA contra a Igreja Católica. Lynn, 61 anos, foi o primeiro membro da igreja julgado no país por encobrir casos de pedofilia. O religioso permitiu que os sacerdotes James Brennan e Edward Avery continuassem exercendo suas funções apesar das acusações de abusos sexuais contra eles.

Os reverendos Brennan e Avery estão cumprindo pena por abuso de menores nas paróquias nas quais trabalhavam na Filadélfia durante a década de 90. Lynn deverá ser condenado a uma pena entre três e sete anos por encobrir os crimes. Ele foi absolvido do crime de abuso sexual.

Simpósio do Vaticano: Casos de pedofilia custaram mais de US$ 2 bi à Igreja Católica

Os promotores asseguraram durante o julgamento que Lynn, como secretário do cardeal Anthony Bevilacqua, não tomou as medidas necessárias para suspender os padres pedófilos e que ele teve mais preocupação em proteger a igreja do que as crianças.

Vinte testemunhas descreveram durante o julgamento como vários sacerdotes haviam abusado deles. De acordo com a sentença, Lynn não apurou as denúncias e em alguns casos disse que os padres é que foram seduzidos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.