Autor de massacre na Noruega pede absolvição no fim de julgamento

Veredicto e sentença contra Breivik, que deixou 77 mortos em julho, devem ser anunciados em 24 de agosto; famílias abandonaram corte enquanto ele justificava crimes

iG São Paulo | - Atualizada às

O julgamento de Anders Behring Breivik , autor confesso do massacre de 77 pessoas na Noruega em 22 de julho, terminou nesta sexta-feira com o assassino em massa pedindo à corte em Oslo que o considere são e o absolva das acusações de terrorismo e reiterando que as mortes foram necessárias para proteger a Noruega de se tornar um "inferno multiculturalista".

Penúltimo dia: Promotoria pede veredicto de insanidade para autor de massacre na Noruega

AP
Parentes de vítimas de massacre na Noruega deixam corte enquanto autor confesso, Anders Behring Breivik, lê declaração em corte justificando crimes

Infográfico: Saiba como extremista executou plano de ataque na Noruega

Em protesto, as famílias se retiraram do local enquanto ele tentava justificar os crimes. Lendo uma declaração previamente preparada, o militante antimuçulmano apontou tudo que ele acha de errado na Noruega, desde a imigração até a liberação das mulheres. Depois de sua declaração, o juiz declarou o fim do julgamento e disse que um veredicto e a sentença seriam apresentados em 24 de agosto.

Previamente, seu advogado, Geir Lippestad, pediu que Breivik seja declarado mentalmente capaz de assumir seus atos, rejeitando o pedido da promotoria, que deseja qualificá-lo como juridicamente incapaz . Se for declarado insano, Breivik deve ser internado em um manicômio judicial em vez de cumprir pena de prisão.

"Breivik deseja ser punido por suas ações - ou seja, ser tratado como criminalmente são pela corte", disse o advogado. "Se olharmos os direitos humanos básicos e levarmos em conta que o réu tem um projeto político - ver suas ações como uma expressão de doença é retirar um direito humano básico, o direito de assumir as responsabilidades pelas próprias ações", afirmou Lippestad.

Peritos psiquiátricos apresentaram laudos conflitantes sobre a sanidade de Breivik, que em 22 de julho deixou 8 mortos com a explosão de um carro-bomba perante prédios públicos de Oslo , e em seguida deixou 69 mortos, a maioria adolescentes, num acampamento do governista Partido Trabalhista na Ilha de Utoya , perto da capital.

Comissão: Extremista norueguês enganou psiquiatras na 2ª avaliação de sanidade

Ele disse que queria punir os trabalhistas por seu apoio ao multiculturalismo e à imigração. Para comprovar sua tese de motivação política, Lippestad disse que Breivik poupou na Ilha de Utoya algumas pessoas que ele considerou não serem politicamente ativas, e preferiu cometer a chacina no acampamento trabalhista em vez de matar indiscriminadamente nas ruas de Oslo.

AP
Autor confesso de massacre na Noruega, Anders Behring Breivik (C), é escoltado por dois policiais em corte de Oslo

A defesa também alega que todos os que mantêm contato com Breivik desde sua prisão o descrevem como calmo e comportado. "Não há sinais de violência nessas relações. Não foi a violência que tem sido o motor da sua vida", disse Lippestad.

*Com Reuters, AP e BBC

    Leia tudo sobre: norueganoruega sob ataquebreivikosloutoya

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG