"Não vejo um cenário em que Assad continue (no poder) e a violência se reduza", disse o presidente americano

EFE

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta terça-feira que tanto a Rússia como a China estão cientes dos "riscos" de uma guerra civil na Síria e considerou "impossível" conceber uma transição política pacífica no país árabe com o líder Bashar al Assad no poder.

"Não vejo um cenário em que Assad continue (no poder) e a violência se reduza", declarou Obama em entrevista coletiva ao término da Cúpula do G20 em Los Cabos (México).

Obama durante seu discurso na  reunião do G20
AP
Obama durante seu discurso na reunião do G20


O chefe de Estado americano teve reuniões paralelas com os líderes da China, Hu Jintao, e da Rússia, Vladimir Putin, os dois países que até agora rejeitaram os projetos de resolução discutidos no Conselho de Segurança para condenar o regime sírio.

Segundo Obama, nem China nem Rússia estão alinhados com os EUA e outros países sobre como agir para frear a violência na Síria.

O líder americano voltou a insistir na perda de legitimidade do governo Assad e condenou os ataques do regime de Damasco contra a população civil. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.