Fundador do WikiLeaks pede asilo político ao Equador, diz Quito

De acordo com ministro de Relações Exteriores, Julian Assange está refugiado na Embaixada do Equador em Londres

iG São Paulo | - Atualizada às

O Ministro de Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patino, disse nesta terça-feira que o fundador do WikiLeaks , Julian Assange , está refugiado na embaixada do país em Londres e pediu asilo político. Segundo Patino, o Equador está considerando o pedido.

Negativa: Suprema Corte britânica rejeita reabrir caso de Julian Assange, do WikiLeaks

AP
Chanceler do Equador, Ricardo Patino, anuncia que fundador do WikiLeaks, Julian Assange, refugiou-se em embaixada do país em Londres e pediu asilo político

Relações públicas: Criador do WikiLeaks tenta melhorar imagem com talk show na TV russa

A notícia surgiu menos de uma semana depois da Suprema Corte do Reino Unido ter rejeitado o pedido de Assange de reabrir o caso contra sua extradição para a Suécia, onde ele é procurado para interrogatório depois de duas mulheres lhe terem acusado de má conduta sexual durante uma visita ao país em meados de 2010. Ele nega as alegações.

Sua batalha legal para permanecer no Reino Unido já dura quase dois anos, atrapalhando o trabalho de seu site de vazamentos de expor os segredos do mundo.

Em uma coletiva, Patino disse que Assange escreveu ao presidente esquerdista Rafael Correa dizendo que buscava asilo por ser perseguido. Segundo ele, Assange, que é australiano, argumentou que "as autoridades em seu país não defenderão suas mínimas garantias perante qualquer governo e ignorarão a obrigação de proteger um cidadão perseguido politicamente".

Também de acordo com Patino, Assange afirmou que seria impossível retornar a seu país natal pelo fato de que o governo australiano não evitaria que fosse extraditado para "um país estrangeiro que aplica a pena de morte pelo crime de espionagem e sedição", em referência presumível aos EUA.

Assange alega que os EUA secretamente o indiciaram por divulgar segredos americanos e o julgarão se a Suécia for bem-sucedida em conseguir sua extradição a partir do Reino Unido.

O fundador do WikiLeaks ficou famoso internacionalmente em 2010 com a divulgação de centenas de milhares de documentos secretos dos EUA, incluindo um vídeo que mostrava forças americanas disparando contra uma multidão de civis iraquianos e contra jornalistas confundidos com insurgentes.

Autoridades australianas cooperaram com os EUA em investigar a conduta do WikiLeaks. Os australianos concluíram que Assange não desrespeitou nenhuma lei da Austrália.

*Com AP

    Leia tudo sobre: assangewikileaksequadorcorreaeuasuéciacrimes sexuaisreino unido

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG