Ataques de Israel em Gaza matam 6 em 24 horas; Hamas retalia com foguetes

Grupo militante dispara dez foguetes após morte de dois adolescentes; grupo ligado à Al-Qaeda reivindica invasão de Israel pela fronteira do Egito na segunda-feira

iG São Paulo | - Atualizada às

A morte de dois adolescentes nesta terça-feira no terceiro bombardeio aéreo israelense contra a Faixa de Gaza em 24 horas elevou para seis o número de palestinos mortos. Na mais recente escalada de tensão na região, o grupo militante Hamas, que controla Gaza, retaliou lançando dez foguetes contra o território de Israel.

Cisjordânia: Atentado contra mesquita reacende acusações de impunidade

AFP
Palestinos carregam corpo de homem morto em ataque de Israel na região central da Faixa de Gaza

Sinai: Militantes matam israelense após cruzar fronteira de Israel com Egito

O último bombardeio foi lançado durante a madrugada contra um grupo de homens armados que "colocavam uma bomba junto à cerca de segurança no centro de Gaza", informou um porta-voz militar. Os soldados demoraram a permitir que as ambulâncias palestinas tivessem acesso aos corpos, segundo fontes médicas e de segurança palestinas.

Os corpos recolhidos pelos serviços de emergências na parte leste do território palestino são dos civis Mohammed Abu Meileq e Mohammed al-Telbani, ambos de 16 anos e do campo de refugiados de Deir el-Balah, no centro de Gaza, disseram médicos no Hospital Shuhada al-Aqsa.

Os médicos disseram que os adolescentes não eram milicianos e morreram pelo impacto de um míssil. Ashraf al-Qedra, porta-voz do Ministério da Saúde do governo de Gaza, disse que os dois palestinos morreram à noite e só foram transferidos ao hospital de manhã.

Durante a madrugada, milicianos das Brigadas de Ezedin al-Qassam, braço armado do Hamas, lançaram foguetes contra o território israelense, que não causaram vítimas nem danos materiais. 

"É um aviso a Israel para que detenha a escalada e os ataques a nossa gente na Faixa de Gaza", advertiu o grupo armado em comunicado, responsabilizando-se pelos ataques. Para evitar represálias, o Hamas freou nos últimos anos o lançamento de projéteis contra Israel, que são disparados geralmente por grupos radicais.

Segundo o Exército israelense, mais de 290 foguetes foram disparados contra Israel a partir da Faixa de Gaza desde o início do ano. As forças de segurança israelenses mantêm alerta máximo em torno da fronteira com Gaza, depois de quatro militantes palestinos terem morrido na segunda-feira em dois bombardeios aéreos.

Tiro ao alvo: Turismo em assentamento israelense oferece treino para 'matar terrorista'

À tarde, dois militantes foram mortos na cidade de Beit Hanoun, no extremo norte de Gaza, quando tentavam disparar foguetes contra solo israelense, segundo testemunhas. Outros dois, esses do braço armado da Jihad Islâmica, morreram horas antes em outro ataque da Força Aérea israelense na mesma zona.

O aumento da tensão da área ocorre um dia depois de militantes terem atravessado a fronteira do deserto do Sinai , no Egito, para Israel e matarem um trabalhador israelense. Em responsta, o Exército de Israel conseguiu matar dois dos três invasores.

Nesta terça-feira, o Conselho Shura Mujahedin de Jerusalém, um obscuro grupo com vínculos com a Al-Qaeda, reivindicou a invasão, na mais forte evidência até agora a apoiar as alegações de Israel de que a rede terrorista está operando perto de suas fronteiras.

O ataque no Sinai, lançado logo após a Irmandade Muçulmana do Egito declarar vitória nas eleições presidenciais do país, aumentou as preocupações israelenses sobre a falta de controle na região desde a queda do ex-presidente Hosni Mubarak , em 2011.

*Com EFE, AFP e AP

    Leia tudo sobre: israelfaixa de gazagazaegitohamas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG