Homem-bomba mata chefe das forças armadas no sul do Iêmen

Ataque é lançado em Áden dias depois de tropas expulsarem militantes ligados à rede terrorista Al-Qaeda da região

Reuters |

Reuters

O comandante das forças militares no sul do Iêmen foi morto por um militante suicida na cidade portuária de Áden nesta segunda-feira, dias depois de tropas expulsarem militantes islâmicos ligados à Al-Qaeda de seus redutos do sul.

Instabilidade:  Novo presidente do Iêmen enfrenta problemas no sul do país

Reuters
Pessoas olham o carro destruído do major-general Salem Ali Qatan depois da explosão de um homem-bomba em Áden, sul do Iêmen

96 mortos: Al-Qaeda na Península Arábica assume autoria de ataque no Iêmen

A morte do major-general Salem Ali Qatan destacou o controle tênue das autoridades centrais do Iêmen no sul, apesar de um mês de bombardeios e ataques aéreos apoiados pelos EUA e destinados a acabar com os militantes.

O Ministério da Defesa disse que um suicida lançou-se no veículo de Qatan, matando também dois soldados que o escoltavam. O ministério identificou o suicida como um somali, mas não deu outros detalhes. Poças de sangue eram vistas na rua onde a bomba explodiu.

Um médico do hospital onde Qatan morreu disse que 12 pessoas, nove delas soldados, ficaram feridas no ataque em Áden, cidade portuária com vista para rotas marítimas de petróleo a menos de 100 km de várias cidades que os islâmicos ligados à Al-Qaeda recentemente controlavam.

A maior parte desse território está na Província de Abyan, onde os combatentes que se autodenominam Ansar al-Sharia tomaram cidades no ano passado, aproveitando-se dos protestos contra o regime de três décadas do então presidente Ali Abdullah Saleh .

Saleh, que passou o cargo a seu vice em fevereiro sob um acordo de transferência de poder intermediado pelos EUA e a Arábia Saudita, tinha reposicionado algumas de suas forças do sul em uma tentativa de suprimir os protestos, acabando por matar centenas de manifestantes.

Abyan tem sido o foco de uma ofensiva de um mês pelo Exército do Iêmen com apoio dos Estados Unidos, que está travando sua própria campanha de aviões não tripulados e ataques de mísseis contra supostos membros da Al-Qaeda.

Washington está cada vez mais preocupado com a presença militante no Iêmen e apoiou os militares com treinamento, inteligência e mais ajuda, embora o Pentágono não tenha dado detalhes do aumento da assistência.

No Iêmen: Agente duplo fingiu ser homem-bomba e facilitou morte de terrorista

Qatan era uma figura central nos planos de reestruturação das Forças Armadas do Iêmen, que se dividiram em facções durante a luta sobre o destino de Saleh. Sua nomeação para o comando do sul foi uma das primeiras medidas do presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi contra partidários do ex-presidente no Exército.

    Leia tudo sobre: iêmensalehal qaeda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG