Candidato da Irmandade Muçulmana e seu rival Shafiq reivindicam vitória no Egito

Morsi e ex-premiê de Mubarak se atribuem vitória com base em contagens próprias; resultado oficial deve ser divulgado na quinta-feira

iG São Paulo | - Atualizada às

O candidato presidencial da Irmanda Muçulmana, Mohammed Morsi, reivindicou nesta segunda-feira a vitória, com 52,5% dos votos, nas primeira eleições presidenciais egípcias desde a queda de Hosni Mubarak em fevereiro de 2011.

Manobra: Junta militar egípcia mantém poderes apesar de eleição presidencial

AP
Partidária do candidato da Irmandade Muçulmana, Mohammed Morsi, segura cartaz com foto dele na Praça Tahrir, Cairo

Eleição: Candidatos presidenciais do Egito trocam acusações de irregularidades

"O doutor Mohammed Morsi é o primeiro presidente da República eleito pelo povo", afirmou em sua conta no Twitter o Partido da Liberdade e Justiça (PLJ), braço político da Irmandade Muçulmana, presidido por Mursi.

Pouco depois, o candidato falou em uma coletiva para agradecer aos que votaram nele e se comprometeu a trabalhar "de mãos dadas com os egípcios para um futuro melhor, pela liberdade, a democracia e a paz". Também prometeu "servir a todos os egípcios", independentemente de suas crenças políticas ou religiosas. "Não temos a intenção de nos dedicarmos a ajustes de contas", afirmou.

Morsi enfrentava no segundo turno da eleição, realizado no sábado e no domingo, o último primeiro-ministro de Mubarak, Ahmad Shafiq.

Segundo informações do diretor de campanha de Morsi, Ahmad Abdelati, o candidato da Irmandade Muçulmana teria obtido 52,5% dos votos, enquanto seu rival teria alcançado 47,5%. Os porcentuais têm como base uma contagem feita pelo próprio partido islamita.

Shafiq, porém, rejeitou a vitória reivindicada pela Irmandade Muçulmana. "Nós a rejeitamos totalmente", declarou Mahmud Barakeh, funcionário da campanha de Shafiq. "Estamos surpresos por esse comportamento estranho, que equivale a perverter o resultado da eleição", acrescentou, afirmando que a equipe de campanha de Shafiq dispunha de números que o colocam na liderança da votação.

O porta-voz de Shafiq, Ahmad Sarhan, também rejeitou "categoricamente" a vitória de Morsi, dizendo que foram registradas "fortes  irregularidades ". Ele, porém, não deu detalhes de quais seriam.

Em comunicado em seu site, os responsáveis pela campanha de Shafiq asseguraram que, segundo os resultados atuais, o general da reserva está em primeiro lugar e reiteraram que a apuração continua em muitos colégios eleitorais. "O candidato da Irmandade Muçulmana se precipitou na hora de atribuir-se a vitória", indica a nota.

Para a campanha de Shafiq, "é surpreendente o anúncio dos resultados por parte do outro candidato. É uma tentativa de tomar o posto de presidente do país sem o anúncio dos resultados
oficiais, ou uma estratégia para alegar depois que houve uma fraude".

A previsão é de que os resultados oficiais da eleição sejam divulgados na quinta-feira.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: egitoprimavera árabemursishafiqirmandade muçulmana

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG