Papa diz que casos de abusos abalaram credibilidade da Igreja

Em vídeo enviado a congresso, pontífice fez declarações referentes ao escândalo sobre padres que abusaram sexualmente de crianças na Irlanda

EFE |

EFE

O papa Bento 16 disse neste domingo que os "pecados cometidos por sacerdotes e pessoas consagradas contra pessoas confiantes a seus cuidados", das quais "abusaram" em vez de lhes mostrar o caminho a Cristo, "abalaram a credibilidade da mensagem da Igreja".

O pontífice fez essas declarações, referentes aos casos de padres que abusaram sexualmente de crianças na Irlanda, em um vídeo enviado por ocasião do encerramento do 50º Congresso Eucarístico Internacional, realizado nos últimos dias em Dublin.

Bento 16 lamentou que "a gratidão e a alegria por uma história tão grande de fé e amor" como a da Igreja na Irlanda tenham sido "afetadas de maneira terrível com a divulgação dos pecados cometidos por sacerdotes e pessoas consagradas", em alusão aos casos de abusos sexuais a menores por parte de religiosos nesse país.

"Como se explica que pessoas que recebem regularmente o corpo do Senhor e confessam seus pecados no sacramento da Penitência tenham pecado desta maneira? Continua sendo um mistério. Mas, evidentemente seu cristianismo não estava alimentado pelo encontro com Cristo", declarou.

No último dia 12 de junho, o cardeal Marc Ouellet, legado pontifício no 50º Congresso Eucarístico Internacional, se reuniu com vítimas de abusos sexuais por parte de clérigos, a quem pediu perdão em nome do papa e da Igreja e expressou "vergonha e remorso".

Em 2009 foram divulgados dois relatórios oficiais irlandeses que revelaram que durante décadas centenas de crianças desse país sofreram abusos sexuais por parte de sacerdotes. Após conhecer estes casos, o papa disse que estava "desolado e angustiado" e que compartilhava com os fiéis a "indignação, a traição e a vergonha" por esses delitos sexuais.

Missa dominical

O papa Bento 16 defendeu neste domingo que os direitos dos refugiados "sejam sempre respeitados e que, em breve, possam se reunir com seus entes queridos", em pronunciamento feito durante a missa dominical do Ângelus na praça de São Pedro do Vaticano.

O pontífice lembrou a proximidade do dia 20 de junho, Dia Mundial do Refugiado, promovido pelas Nações Unidas para, segundo Bento 16, chamar a atenção da comunidade internacional sobre "as condições de muitas pessoas forçadas a fugir de sua própria terra ameaçadas por conflitos armados e graves formas de violência".

AP
Papa Bento 16 durante a missa dominical do Ângelus, na Praça São Pedro, neste domingo


Em seu discurso, o papa destacou ainda que, neste domingo, será realizado o encerramento do 50º Congresso Eucarístico Internacional, "que nesta semana fez de Dublin a cidade da Eucaristia, onde muitas pessoas se recolheram em orações diante da presença de Cristo".

"No mistério da Eucaristia, Jesus quis permanecer conosco para nos fazer entrar em comunhão com ele e entre nós. Confiamos a Maria Santíssima os frutos maduros nesses dias de reflexão e oração", acrescentou.

    Leia tudo sobre: papaBento 16Igreja Católicaabuso sexualpedofilia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG