Atentados contra xiitas deixam ao menos 32 mortos em Bagdá

Dois carros-bombas explodiram ao norte de Bagdá e tinham como alvo peregrinos de Musa al-Kadhim

AFP | - Atualizada às

AFP

Reuters
Peregrinos xiitas se reúnem em santuário para marcar o aniversário de morte do Musa al-Kadhim, em Kadhimiya, em Bagdá

Ao menos 32 pessoas morreram e várias dezenas ficaram feridas neste sábado em dois atentados com carro-bomba contra peregrinos xiitas que participavam em um ato religioso, no norte de Bagdá, segundo fontes médicas e do ministério do Interior.

Os números fornecidos pelos hospitais e governo são díspares. Segundo o ministério do Interior, os ataques deixaram um balanço de 32 mortos e 68 feridos, enquanto que os hospitais contatados indicam ter recebido 34 corpos e tratado de 152 feridos.

Leia também:  Série de atentados no Iraque deixa mais de 60 mortos

A primeira explosão aconteceu em uma rodovia do distrito de Chula. Os alvos eram os fieis que voltavam para suas casas depois de terem participado nas cerimônias em homenagem ao imã Mussa Kazem, no bairro vizinho de Kazimiya.

Pouco depois, aconteceu o segundo atentado no bairro de Aden, perto de Kazimiya. "Foi terrível, tiramos vários corpos calcinados de um ônibus", segundo uma testemunha.

Estes atentados acontecem apesar das enormes medidas de segurança instauradas em Kazimiya, onde os peregrinos foram submetidos a inúmeros controles policiais, e vários helicópteros vigiavam o percurso dos fieis.

Milhares de peregrinos xiitas se reuniram neste sábado no norte de Bagdá para comemorar o aniversário da morte de Musa Kazem, o sétimo dos 12 imãs venerados pelos xiitas, morto há mais de 1.200 anos.

Na quarta-feira, uma série de atentados com bomba deixou mais de 60 mortos e 250 feridos no Iraque. Esta foi a onda de ataques mais violenta desde 5 de janeiro, quando atentados similares mataram 68 pessoas em Bagdá e Nassiriya (sul).

Os extremistas sunitas, que consideram os peregrinos xiitas hereges, multiplicam seus ataques principalmente durante as festas religiosas, que geralmente reúnem multidões de fiéis no país.

Foram registrados 42 ataques na manhã de quarta-feira em Bagdá, Hilla, Kerbala, Azizia, Balad, Baaquba (centro do país), Kirkuk e Mossul (norte). Dezoito atentados foram cometidos com carros-bomba e 17 com bombas. Cinco ataques com homens armados também aconteceram.

O atentado mais violento aconteceu na cidade de Hilla, a 95 km de Bagdá, onde as explosões de dois carros-bomba provocaram as mortes de 28 pessoas e deixaram 53 feridos. A violência no Iraque diminuiu nos últimos anos, mas permanece quase que diariamente: 132 pessoas morreram em ataques durante o mês de maio, de acordo com estatísticas oficiais.

    Leia tudo sobre: iraqueatentadosxiitasmuçulmanos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG