Série de atentados no Iraque deixa mais de 60 mortos

Peregrinos xiitas são alvos da maior parte das 16 explosões registrada em várias cidades do país, num reflexo da crescente tensão sectária

iG São Paulo | - Atualizada às

Uma série de ataques deixou mais de 60 mortos e 200 feridos em várias cidades do Iraque nesta quarta-feira, em um dos piores atentados desde a retirada das tropas americanas do país, em dezembro do ano passado. Nenhum grupo assumiu responsabilidades pelos ataques, cujos alvos foram principalmente muçulmanos xiitas.

Leia também:  No Iraque, Montéquios e Capuletos são xiitas e sunitas

AP
Homens observam danos causados por explosão em Bagdá, capital do Iraque

O ataque desta quarta-feira – o terceiro contra peregrinos xiitas nesta semana - reflete a tensão política que ameaça provocar uma nova onda de violência sectária no Iraque. A maior parte das 16 explosões atingiram alvos xiitas e duas aconteceram em frente aos prédios de partidos políticos ligados à minoria curda.

Leia também: Atentado suicida deixa pelo menos 23 mortos em Bagdá

A primeira bomba foi detonada durante uma procissão na cidade de Taji, norte do Iraque, por volta das 5h (horário local). Logo depois, outras quatro explosões atingiram grupos de peregrinos em diferentes regiões da capital, Bagdá.

Depois, na região sul, dois carros-bomba explodiram no centro da cidade de Hilah. Um carro-bomba também foi detonado perto de um grupo de peregrinos na cidade de Karbala, considerada sagrada pelos xiitas.

Duas explosões foram registradas na cidade xiita de Balad, ao norte de Bagdá, enquanto três bombas foram detonas em Kirkuk, uma delas em frente ao escritório de um líder político curdo. Em Mosul, também ao norte, houve três explosões, uma delas em frente tendo outro líder curdo como alvo.

Embora a violência tenha diminuído no Iraque nos últimos anos, após um pico entre 2006 e 2007, as divisões políticas entre os vários grupos sectários aumentaram desde a retirada americana. O primeiro ministro do país, Nouri al-Maliki, um xiita, é acusado de tentar monopolizar o poder e excluir os demais grupos.

Com AP

    Leia tudo sobre: iraqueatentadosbagdáxiitassunitasmuçulmanos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG