Especialista: Vírus Stuxnet, usado contra programa do Irã, tem trechos do Flame

Descoberta de empresa de segurança dá força à crença de que ciberarma Stuxnet faz parte de programa cibernético liderado pelos EUA

Reuters | - Atualizada às

Reuters

Uma das mais importantes empresas de segurança digital encontrou conexões entre o código-fonte do poderoso vírus Flame e a ciberarma Stuxnet , que foi supostamente utilizada pelos Estados Unidos e por Israel para atacar o programa nuclear iraniano.

Advertência:  Especialista alerta para perigos de guerra cibernética

BBC
Imagem do software espião Flame, detectado por empresa com sede na Rússia

Na web: Empresa diz ter detectado mega-ataque cibernético no Oriente Médio

O presidente-executivo do Kaspersky Lab, sediado em Moscou, Eugene Kaspersky, que descobriu o Flame no mês passado, disse no Reuters Global Media and Technology Summit nesta segunda-feira que seus pesquisadores descobriram, desde então, que parte do código-fonte do Flame é praticamente idêntico a trechos de código encontrados numa versão de 2009 do Stuxnet.

A descoberta pode dar força à crença de muitos especialistas em que o Stuxnet é parte de um imenso ciberprograma liderado pelos EUA que ainda está ativo no Oriente Médio e, talvez, em outras partes do mundo.

Embora Kaspersky não tenha dito quem ele acredita ter desenvolvido o Flame, empresas da mídia, incluindo a Reuters e o New York Times, noticiaram que os EUA e Israel eram responsáveis pelo Stuxnet - que foi descoberto em 2010 após ter danificado centrífugas utilizadas para enriquecer urânio numa unidade nuclear em Natanz, no Irã.

Ciberataque: Testes de Israel com vírus atrapalham programa nuclear do Irã

Em vez de negar as suposições, autoridades de Washington recentemente abriram investigações sobre os vazamentos do projeto altamente confidencial. A Casa Branca não respondeu imediatamente aos comentários de Kaspersky. "Havia duas equipes diferentes analisando cooperativamente" o Stuxnet e o Flame, disse Kaspersky no Reuters Summit em Londres.

O Flame é um vírus de alto grau de sofisticação que se disfarça de softwares comuns de negócios. O programa foi instalado há pelo menos cinco anos e tem a capacidade de gravar diálogos que envolvem os computadores em que está instalado e roubar dados.

    Leia tudo sobre: flameStuxneteuaisraelirãoriente médiociberguerraciberataque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG